Ferramenta mostra tuites deletados por políticos nos EUA

Do UOL, em São Paulo

Desde a vitória de Barack Obama nas eleições americanas de 2008, o Twitter se tornou uma ferramenta muito útil para aproximar políticos e eleitores. Com o sucesso de Obama, o microblog virou item quase obrigatório para políticos (principalmente nos EUA). Só que nem sempre os administradores públicos são felizes nas colocações feitas no site. E para o azar deles, já existe o Politwoops (algo como Ops! dos políticos).

O Politwoops é um site desenvolvido pela Fundação Sun Light (que fiscaliza os políticos americanos). A ideia original do projeto foi na Holanda. No site estão arquivadas todas as postagens no microblog que foram apagadas pelos políticos. Senadores, deputados, governadores e claro, o presidente estão na lista dos fiscalizados. Entre as mensagens apagadas estão comentários “inocentes”, erros de informação e algumas coisas que os políticos falaram e depois se arrependeram. Veja dois exemplos:

Um dos comentários foi de Buddy Roemer, pré-candidato derrotado nas prévias para presidente do Partido Republicano. Perguntado por um internauta em quem ele atiraria se estivesse em uma sala com Hitler e Bin Laden, ele respondeu: “Em mim mesmo”. Roemer se arrependeu do comentário, mas o tuite foi parar no site.

  • Reprodução

    Buddy Roemer foi tentar ser engraçado, mas se arrependeu

Do presidente Obama tem uma postagem em que ele afirma que teve mais seguidores no Twitter em três semanas do que Mitt Romney a vida toda. Ele se arrependeu da alfinetada no rival, mas não adiantou nada. A postagem também ficou registrada no Politwooops.

  • Reprodução

    Obama desistiu de se gabar... mas de nada adiantou

Em tempo: no Brasil, há um Potitwoops em desenvolvimento. Mas o site ainda está longe de ter a qualidade da página americana. Se quiser conferir, o endereço é http://politwoops.com.br/.



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos