Celulares piratas serão bloqueados pelas operadoras; aprenda a identificar esses aparelhos

Flávio Carneiro
Do UOL, em São Paulo

O bloqueio de celulares considerados piratas, sem homologação da Anatel, está previsto para começar em 2014. Como esses aparelhos deixarão de funcionar, é importante aprender a identificar os modelos "xing-ling" – no ano passado, eles somaram 12,7% de todo o mercado nacional, segundo a consultoria Strategy Analytics.

Como ver se um celular é pirata

- Checar selo e numeração da Anatel
- Testar recursos e sistema operacional
- Verificar personalização da embalagem
- Observar qualidade do acabamento

Carlos Lauria,  vice-diretor do grupo de celulares da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica),  aponta que o primeiro passo para identificar um smartphone falso é checar o selo ou código da Anatel. "Todos os aparelhos legais possuem o selo da agência reguladora, logotipo ou número de certificação." Com a numeração em mãos, o usuário pode pesquisar o código no próprio site da Anatel, verificando assim sua legalidade.

Uma visita da reportagem a um centro comercial de São Paulo, famoso por vender celulares piratas, não encontrou nenhum smartphone falso com as informações da Anatel. 

  • Selo da Anatel aparece na bateria (dir.), e código está na parte branca do interior do aparelho original 

Caso ainda reste alguma dúvida ou não seja possível verificar o selo, o usuário deve prestar atenção nas características físicas. De acordo com Lauria, até as embalagens são alertas. "Os celulares ilegais geralmente usam caixas genéricas, que servem para qualquer aparelho", conta.

Durante a visita realizada pela reportagem, diversos aparelhos foram oferecidos em uma caixa completamente branca, sem nenhuma informação. Em outros casos, a película do aparelho exibia diversas características inexistentes no produto, como câmera de 12 megapixels, sistema Android e TV digital. Questionada sobre os itens divulgados, a vendedora confirmou que nem sempre o produto oferece as funções estampadas.  

Com o smartphone na mão, é possível ver detalhes que desmascaram a cópia: nomes errados, acabamento ruim, acessórios genéricos ou de outras marcas, como a bateria ou o carregador. A reportagem encontrou, por exemplo, um Samsung Galaxy S III falso com uma bateria da marca Nokia.

Além dos acessórios, a equipe se deparou com "modelos" que não existem, como o G-S-Y SIII, que é produzido como se fosse da marca Samsung.

A falta de manual ou texto em outra língua também pode ser um indício de que o produto é irregular. Se o comerciante não oferecer garantia ou se recusar a emitir nota fiscal, o usuário deve ficar atento. Nenhuma loja visitada pela reportagem ofereceu garantia ou nota. Quando uma vendedora foi questionada sobre o que o usuário deveria fazer se o gadget desse problema, a resposta foi "jogar fora".

  • Na foto, feita em uma feira de "produtos alternativos", o smartphone pirata da Samsung possui uma bateria da marca Nokia. Além disso, o modelo "G-Y SIII" não existe na Samsung

Se o aparelho for idêntico ao original, outra possibilidade de avaliação é testar os recursos do gadget. Geralmente, segundo o vice-diretor da Abinee, os aparelhos falsos não cumprem o que prometem. "Já foram apreendidos celulares idênticos ao Nokia N8 [que possui o sistema Symbian] rodando Android. Ou então um smartphone que afirma possuir câmera de 13 megapixels e, na prática, possui apenas 1,3 megapixel", explica.

Uma cópia do Nokia Lumia 920, encontrado pela reportagem durante a visita, por exemplo, funciona com Android e não com o Windows Phone, presente no aparelho original.

  • À esquerda, uma cópia pirata do Lumia 920 encontrada em uma feira de itens alternativos -  o gadget vem com Android, enquanto o original possui Windows Phone. À direita, o produto original

Entenda a proibição 
Em março deste ano, a Anatel autorizou  as operadoras a instalarem a tecnologia que bloqueia os celulares piratas. O novo sistema das operadoras cruzará a lista de registros nacionais e estrangeiros para saber qual é autêntico. Caso seja pirata, o sistema decidirá, automaticamente, pelo bloqueio dos sinais. Entenda como será feito o bloqueio na reportagem da Folha de S.Paulo .

A Sinditelebrasil (sindicato que representa as operadoras de telefonia brasileiras), afirmou que os produtos importados, mas que não são homologados pela Anatel, não serão bloqueados como os piratas. A organização disse ainda que um sistema será criado para impedir que esses produtos sejam travados.

Notícias relacionadas

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos