Chinesa Xiaomi quer entrar nos EUA neste ano e mais notícias de Tec do dia

Do UOL, em São Paulo

  • Márcio Padrão/UOL

A fabricante de smartphones Xiaomi, da China, espera entrar no mercado norte-americano até o final de 2018. A empresa já é a quarta maior fabricante de celulares do mundo e faz bastante sucesso na Ásia. Para continuar a crescer, a Xiaomi planeja alcançar os consumidores do ocidente.

"Nós sempre consideramos entrar no mercado dos EUA", disse o presidente da Xiaomi, Lei Jun.

VEJA TAMBÉM:

Nos primeiros meses do ano, porém, as coisas não foram fáceis para as marcas chinesas: em janeiro, a AT&T deu para trás numa negociação para vender os smartphones da Huwaei nos Estados Unidos, e no mês passado, várias agências de inteligência norte-americanas deram avisos ao público para não usar aparelhos feitos por fabricantes chineses, como Huawei e ZTE.

Alguns produtos da Xiaomi já estão disponíveis nas lojas norte-americanas, como a TV 4K Mi Box, mas os celulares ainda devem demorar alguns meses para aparecer nas prateleiras dos EUA.

Em outras notícias que rolaram ao longo do dia, a rede social chinesa WeChat alcançou a marca de 1 bilhão de perfis de usuários e o Spotify está tentando acabar com apps que removem anúncios de contas gratuitas. Confira!

Divulgação
Divulgação

Spotify notifica usuários que usam apps par remover anúncios

Muita gente usa aplicativos para remover os anúncios das contas gratuitas do Spotify, ao invés de pagar a assinatura mensal de R$ 16,90 da versão premium do serviço de streaming musical, livre de propagandas. De olho nessa trapaça, o Spotify passou a notificar os usuários espertinhos.

O alerta pede que o usuário desinstale os apps e avisa: caso as atividades indevidas sejam detectadas novamente, a conta poderá ser suspensa ou encerrada. E aí, vale correr o risco?
Reprodução
Reprodução

Rede social chinesa alcança 1 bilhão de usuários

A rede social chinesa WeChat, que começou como uma alternativa ao WhatsApp e conta hoje com recursos que vão de pagamento de contas até agendamento de viagens, alcançou a marca de 1 bilhão de perfis de usuários, informou o site Financial Times.

Vale notar, o número de perfis pode ser maior do que o número de usuários reais do WeChat, já que uma pessoa pode criar mais de um perfil na rede social. Segundo a Tencent, empresa chinesa que é dona do WeChat, o número de contas na plataforma cresce 15,8% ao ano. Cerca de 38 bilhões de mensagens são enviadas pela rede todos os dias.

O WeChat é a maior rede social na China (onde Facebook e WhatsApp são bloqueados), mas boa parte dos novos usuários vem do sudoeste asiático, EUA e Europa.
Getty Images
Getty Images

Estudantes de Stanford protestam contra Apple por "vício em iPhone"

Um grupo de estudantes da universidade de Stanford, nos EUA, publicou um protesto contra a Apple, acusando a empresa de "falhar em tomar medidas de senso comum" para diminuir o vício em tecnologia e smartphones, revelou o jornal Stanford Daily. Os estudantes citam diversos estudos que mostram o crescimento do vício em celulares entre pessoas de várias faixas etárias.

Segundo o panfleto distribuído pelos estudantes, 69% dos adultos checam seus celulares de hora em hora e a metade dos adolescentes se sente viciada em seus smartphones. A universidade fica perto da sede da Apple e muitos engenheiros formados em Stanford trabalham na empresa. Isso, segundo Sanjay Kannan, um dos líderes do grupo de estudantes é um dos motivos para o protesto. "Nós vamos trabalhar para essas empresas, então precisamos ter algum fundamento ético".
Divulgação
Divulgação

O Wordpress representa 30% da internet

A plataforma de publicação Wordpress é usada por cerca de 30% da internet. A informação foi divulgada pela Amazon. A empresa analisou cerca de 10 milhões de sites e divulgou alguns dados para o público.

Segundo a Amazon, 50% dos sites do mundo não usam um serviço de gerenciamento de conteúdo, como o Wordpress, e a segunda plataforma mais usada, Joomla, tem apenas 3,1% de todos os websites analisados.

O sucesso do Wordpress vem da facilidade de uso e das possibilidades de expansão. A plataforma permite a adição de vários 'plug-ins' e é fácil de personalizar.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

LEIA MAIS

UOL Cursos Online

Todos os cursos