Confira 10 filmes que não teriam sentido com a tecnologia de hoje

  • Divulgação

Você já deve ter assistido algum filme antigo e pensou que certas situações do roteiro não aconteceriam daquela forma se o tal filme fosse produzido nos dias atuais.

Claro que para fazer esse exercício tivemos que alimentar ainda mais o fator de fantasia dessas histórias: afinal, filmes de ficção normalmente são feitos para divertir e não precisam se comprometer com a realidade e a verossimilhança.

Mas é interessante imaginar como a vida de Kevin McCalister seria bem mais fácil com um smartphone em "Esqueceram de Mim". Ou que o trio apavorado de "A Bruxa de Blair" poderia ter passado longe dos apuros se estivessem com um GPS em mãos.

Veja os filmes recriados na seleção do UOL abaixo.

Divulgação
Divulgação

Disque M para Matar

Sinopse: Um ex-tenista cria um plano para matar sua mulher e ficar com a herança. O plano era que um homem, escondido atrás da cortina da sala, matasse a mulher quando ela atendesse a um telefonema (realizado pelo próprio marido de um orelhão)

Como seria com a tecnologia de hoje? Esse suspense de Alfred Hitchcock foi lançado em 1954, décadas antes da popularização dos telefones celulares. Mesmo que telefones fixos ainda existam em muitas casas, a tendência natural seria tanto o marido quanto a mulher ter um celular cada. Seria bem suspeito ele não ligar direto para o celular da esposa, ou mesmo enviar uma mensagem no WhatsApp.
Divulgação
Divulgação

Poltergeist - O Fenômeno

Sinopse: Neste filme de 1982, uma menina passa a conversar com a televisão da família, que está transmitindo a estática de um sinal desligado. Ao longo do tempo, começam a ocorrer fenômenos paranormais assustadores na casa.

Como seria com a tecnologia de hoje? Quase todos os canais de TV transmitem programação 24 horas por dia, então não haveria estática para a criança conversar. Os espíritos teriam que arranjar outra forma de começar a infernizar a casa e os eletrônicos --talvez por vírus chegando na tela do tablet?
Reprodução
Reprodução

Titanic

Sinopse: Baseado na história real do navio que bateu em um iceberg em 1912; o acidente matou mais de 1.500 pessoas e deixou apenas 705 sobreviventes, incluindo Rose Bukater, que viveu uma história de amor na viagem que acabou em tragédia.

Como seria com a tecnologia de hoje? Após o acidente, se pelo menos uma pessoa que ficou nos botes tivesse um smartphone à prova d'água --proteção IP68, falando tecnicamente-- talvez as buscas tivessem os achado mais rapidamente e haveria mais sobreviventes, incluindo Jack, o amor de Rose. Para se fazer notar, o celular poderia no mínimo usar o modo lanterna como sinal.
Divulgação
Divulgação

O Chamado

Sinopse: Uma repórter investiga uma fita de vídeo VHS amaldiçoada pelo espírito de uma garota. Quem assiste ao filme recebe uma ligação anunciando sua morte em sete dias. A garota consegue, em determinada cena do filme, atravessar a tela da TV e aparecer fisicamente dentro da sala.

Como seria com a tecnologia de hoje?Muitos detalhes da descrição acima não fazem sentido hoje. Mesmo que Samara tenha acesso ao seu celular, qual seria o número que apareceria? As fitas VHS foram substituídas por formatos digitais. Por isso, o roteiro do novo filme "O Chamado" teve de se adaptar às tecnologias atuais
Reprodução
Reprodução

Mens@gem para Você

Sinopse: Duas pessoas começam um namoro por e-mail, mas eles não sabem que são rivais nos negócios.

Como seria com a tecnologia de hoje? O filme se passa em 1998, quando a internet ainda estava em sua fase 1.0. Nada de smartphones, aplicativos móveis ou YouTube; a única comunicação entre pessoas eram os canais de bate-papo e o e-mail. Essa história seria rapidamente encurtada em tempos de Facebook e Tinder; eles saberiam quem são, talvez não tivessem a chance de se apaixonarem e fim.
Divulgação
Divulgação

Esqueceram de Mim

Sinopse: Em 1990, o pequeno Kevin é deixado em casa por sua família, que saiu em viagem de férias. Ele tem que se virar sozinho para se manter e se proteger de uma dupla de bandidos.

Como seria com a tecnologia de hoje? Google para encontrar receitas, smartphone para manter contato constante, Netflix para passar o tempo: com tanta tecnologia e informação à mão, tanto Kevin quanto a mãe dele ficariam bem mais tranquilos. E um bom sistema eletrônico de segurança na casa chamaria a polícia com mais eficiência que qualquer armadilha criada pelo personagem de Macaulay Culkin
Divulgação
Divulgação

127 Horas

Sinopse: Baseada na história real do explorador Aron Ralston, que em 2003 saiu de casa sem avisar à família que passearia no Grand Canyon e acabou preso em uma rocha por cinco dias. Ele teve que amputar seu braço para escapar.

Como seria com a tecnologia de hoje? A lógica diz que ele teria um smartphone no bolso, e era só a família ligar para ele e socorrê-lo onde estivesse. É importante frisar, porém, que no meio do Grand Canyon o sinal de celular poderia ser quase nulo. Mesmo assim, as buscas aéreas teriam mais chance de achar Aron se a tela do celular fosse usada para refletir a luz solar e sinalizar sua localização.
Divulgação
Divulgação

A Bruxa de Blair

Sinopse: Um trio de jovens decide filmar em 1994 um documentário sobre a lenda local da Bruxa de Blair, mas se perdem na floresta no processo. Depois estranhas ocorrências levam a crer que o mito pode ser verdade.

Como seria com a tecnologia de hoje? Mesmo que os smartphones com apps de mapas e GPS falhassem para que eles escapassem da floresta, há modelos de GPS mais eficazes para usar na natureza. Aliás, um fato curioso: esse mesmo equipamento foi usado na época pela equipe do filme (o ano era 1999) para que ninguém se perdesse de verdade.
Reprodução
Reprodução

Clube da Luta

Sinopse: Um homem comum se envolve em um "clube da luta" secreto que aos poucos se torna um grande plano anticapitalista contra o "status quo". Esse mesmo homem descobre algo sobre si mesmo que o liga mais intimamente ao criador do clube, Tyler Durden.

Como seria com a tecnologia de hoje? Este clássico de 1999 traz uma grande reviravolta entre os personagens de Edward Norton e Brad Pitt que em um mundo cheio de celulares com câmeras seria mais difícil de acontecer; afinal, alguém iria acabar fotografando o "narrador sem nome" (o personagem de Norton) em uma ou mais situações em que Tyler (Pitt) não apareceria, mesmo que a lembrança dele dissesse o contrário. Além disso, a divulgação secreta do Clube da Luta possivelmente seria não apenas no boca a boca, mas também na "deep web" e grupos de WhatsApp obscuros.
Reprodução
Reprodução

Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças

Sinopse: Homem desiludido com o seu relacionamento amoroso decide recorrer a um processo de apagamento de todas as suas lembranças específicas sobre o romance.

Como seria com a tecnologia de hoje? O filme mais novo dessa lista --de 2004-- traz uma invenção que ainda não existe: apagar as memórias de forma seletiva. Mas mesmo se fosse o caso, não adiantaria muito, pois o sujeito seria constantemente confrontado por lembranças recuperadas no Facebook. Ele deletou o perfil? Não adiantaria, pois os amigos poderiam fazer "prints" das postagens românticas e mostrar a ele de novo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos