É coisa nossa: conheça 6 grandes invenções criadas por brasileiros

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução

Graças à nossa infame "síndrome de vira-lata", muitos tendem a considerar o Brasil uma terra que não contribuiu - ou, ao menos, contribuiu muito pouco - com os avanços científicos que geraram o mundo moderno.

A verdade, porém, é que durante os séculos, e até mesmo hoje em dia, brasileiros têm inovado vários elementos da sociedade, de meios de comunicação, a transporte, até entretenimento.

Sendo assim, separamos alguns dos inventos mais notáveis que tiveram participação conhecida, desconhecida, e até controversa de pessoas nascidas ou criadas no Brasil.

Rádio - Padre Roberto Landell de Moura

Catorze anos antes do italiano Guglielmo Marconi, o padre Roberto Landell de Moura conseguiu transmitir a voz humana por oito quilômetros via ondas de rádio em 3 de junho de 1900, entre a Avenida Paulista e o Alto de Santana.

Além da patente brasileira de seu invento, em 1904 Landell de Moura chegou a ser reconhecido pelo Escritório de Patentes dos EUA por três inventos diferentes: um transmissor de ondas, um telefone sem fio e um telégrafo sem fio.

Infelizmente, por falta de investimento do governo brasileiro e controvérsia com a Igreja Católica, o padre não pôde continuar seus experimentos, e se tornou um rodapé na história das telecomunicações.

Balão - Padre Bartolomeu de Gusmão

Outro homem da batina que ficou marcado por seus trabalhos científicos, o padre Bartolomeu de Gusmão nasceu em Santos, na época do Brasil colonial, e é considerado um dos pioneiros da aviação e transporte aéreo.

Em 1709, Bartolomeu demonstrou para a Corte do Rei Dom João V de Portugal cinco experimentos envolvendo balões de vários tamanhos, que eram levantados para o ar pelo calor de chamas logo abaixo deles.

Os experimentos foram testemunhados por várias figuras importantes além do Rei, incluindo o futuro Papa Inocêncio XIII, mas sua utilidade foi questionada, já que não era possível controlar os balões diretamente.

O padre tinha planos de criar um dirigível tripulado - conhecido como Passarola -, mas até onde se sabe um protótipo nunca foi criado. Para piorar, anos depois o padre chegou a ser perseguido pela Inquisição, adoecendo e morrendo na Espanha em 1724, aos 38 anos.

A história do padre Bartolomeu de Gusmão e a Passarola inspirou o autor José Saramago, e os dois são figuras centrais do livro "Memorial do Convento".

Transmissão automática - José Braz Araripe e Fernando Lehly Lemos

No Brasil, carros tendem a ter transmissão manual. Curiosamente, sem a ajuda de dois engenheiros brasileiros, a transmissão automática não existiria - ou, ao menos, não da forma que conhecemos.

Em 1932, José Braz Araripe e Fernando Lehly Lemos desenvolveram um sistema de troca de marchas automática por fluído hidráulico. O projeto e protótipo foram vendidos para a General Motors, que em 1940 lançou um modelo do carro Oldsmobile com a chamada transmissão "Hydra-Matic", uma precursora do que pode ser encontrada em veículos automáticos de hoje em dia.

Identificador de chamadas - Nélio José Nicolai

Em 1977, Nélio José Nicolai, um funcionário da estatal Telebrasília, criou a Bina, uma máquina capaz de identificar o número de telefone nas ligações. A ideia por trás do invento era diminuir o número de trotes e golpes.

Após adaptar e patentear a tecnologia no Brasil nos anos 1990, Nicolai passou as décadas seguintes em batalhas legais com grandes empresas de telecomunicação, como a Vivo e Claro, para que fosse reconhecido e recompensado por seu invento - agora disponível em milhões de celulares no país.

Ele chegou a ser compensado pela Vivo por um valor que considerou "irrisório", e combateu os recursos contra as empresas, mas faleceu antes do fim do processo, em novembro de 2017, aos 77 anos.

Reprodutor de áudio portátil - Andreas Pavel

Antes do iPod, Zune, Discman ou Walkman, o alemão naturalizado brasileiro Andreas Pavel criou um dispositivo conhecido como "Stereobelt", capaz de reproduzir músicas remotamente por meio de fones de ouvido.

Pavel montou a primeira versão do Stereobelt em 1972, mas só patenteou seu invento em 1977 na Itália, e mais tarde nos EUA, Reino Unido, Alemanha e Japão. Além disso, ele mostrou o protótipo para diversas empresas, incluindo a japonesa Sony.

No ano seguinte, a empresa lançou o icônico Walkman, e Pavel passou anos nas cortes para receber royalties como criador desta tecnologia. Em 1986, a Sony pagou o inventor, mas apenas por aparelhos vendidos na Alemanha.

Finalmente, em 2003, Pavel e a Sony chegaram a um acordo fora das cortes, e o teuto-brasileiro é considerado oficialmente o criador do chamado "personal stereo".

Não bastasse isso, uma versão do Stereobelt apareceu nos cinemas em "X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido", utilizado pelo mutante Mercúrio em uma das sequências mais memoráveis do filme.
Compartilhe

Avião - Alberto Santos-Dumont

Um dos maiores brasileiros de todos os tempos, Alberto Santos Dumont mudou completamente a aviação moderna, contribuindo diretamente tanto no desenvolvimento tanto de dirigíveis quanto aviões.

Graças a seus projetos como o No. 5 e o 14-bis, Santos Dumont abriu as portas para o surgimento de uma nova forma de transporte - e, considerando isto um bem mundial, nunca patenteou qualquer uma de suas invenções.

Haverá sempre a discussão entre brasileiros e americanos sobre Santos Dumont e os irmãos Wright. Mas, pelo menos, podemos dizer que nosso inventor também foi indiretamente responsável por outro avanço tecnológico: o relógio de pulso, ao pedir para seu amigo Louis Cartier criar um dispositivo especial, já que era difícil pegar um relógio de bolso enquanto pilotava suas máquinas.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos