Conheça startups que são financiadas pelo exército dos EUA

Márcio Padrão

Do UOL, em São Paulo

  • Bilal Hussein/ AP

Nem todo mundo sabe, mas além da pólvora e do aço blindado, o segmento de defesa há décadas têm interesse crescente em tecnologia para ampliar seu poder. Essa relação dura até hoje, firme e forte. Basta lembrarmos do recente envolvimento do Google com o exército americano para aprimorar inteligência artificial.

VEJA TAMBÉM:

O princípio da computação de dados foi praticamente inventado na Segunda Guerra Mundial pelo matemático britânico Alan Turing --bem explicado pelo filme "O Jogo da Imitação". A internet e os drones também tiveram sua origem em aplicações militares para só depois cair no gosto popular.

E como estar sempre à frente do inimigo no século 21? Talvez juntando-se a quem está mais empenhado em achar a próxima grande coisa na tecnologia: as startups. Essas pequenas empresas são pequenas fábricas de inovação, mas sofrem de um mal: precisam de bastante dinheiro e apoio técnico para decolar.

É aí que o exército entra: nos EUA, o Departamento de Defesa, CIA e órgãos afins financiam empresas que estejam pesquisando aplicações que possam ser usadas para a defesa do país. O Pentágono até criou em 2015 um grupo chamado DIUX (sigla para Unidade de Inovação em Defesa Experimental) para permitir investimentos em novas empresas promissoras.

O governo americano também trabalha com empresas de capital de risco para esse fim, como a IQT (sigla para In-Q-Tel) e a Arsenal Venture Partners. Veja abaixo uma pequena seleção dessas startups.

iStock
iStock

Anomali

Imagine saber antes mesmo do ataque quando e como um hacker vai agir? Esta empresa fornece uma plataforma para detecção e identificação antecipada de inimigos em uma rede. Com o programa deles, o governo pode acessar rapidamente milhões de indicadores de ameaças cibernéticas e assim proteger com antecedência a infraestrutura do país.
Getty Images/iStockphoto
Getty Images/iStockphoto

CounterTack

E em caso de futuros vírus de computador, que tal ter a vacina antes mesmo da doença surgir? Esta startup faz análise forense e comportamental para detectar ataques de "dia zero", que atacam vulnerabilidades que eram anteriormente desconhecidas. Ela diz usar inteligência artificial para correlacionar dados de ameaças de forma rápida o bastante para fornecer controles preventivos e respostas rápidas contra ameaças. Além disso, a empresa combate ameaças já conhecidas.
Divulgação
Divulgação

Arctic Sand Technologies

Esta empresa pretende criar produtos eletrônicos menores, mais finos, mais leves e mais eficientes no consumo de energia. Quão menores? Em tamanhos dois a quatro vezes menores que a concorrência, dizem. Isso é útil para criar equipamentos de espionagem cada vez mais discretos e sofisticados. No ano passado, após a ajuda do fundo Arsenal (ligado ao governo), a empresa foi vendida para a Peregrine Semicondutores.
REUTERS/Pascal Lauener
REUTERS/Pascal Lauener

Applied Minds

Esta é uma empresa fundada por ex-membros da Disney Imagineers, que pesquisa inovações para a Disney. O programa de artilharia do Exército dos EUA está trabalhando com a Applied Minds para desenvolver um drone capaz de interceptar adversários. Sua plataforma busca diminuir o tempo de destino e aumentar a probabilidade de sucesso do ataque da aeronave.
Reprodução
Reprodução

ProtectWise

Esta fornece proteção de rede com sua nuvem em DVR, um método de validação de dados que cria um tipo de "câmera" virtual que permite visualizar e acompanhar o progresso de ameaças cibernéticas em tempo real.
(Xinhua/Joel Goodman/London News Pictures/Zumapress
(Xinhua/Joel Goodman/London News Pictures/Zumapress

Evolv Technology

Milhões de pessoas estão vulneráveis a ataques terroristas. Instalações privadas, locais públicos e infraestrutura de transporte se tornaram alvos potenciais. A Evolv oferece produtos de detecção de ameaças para ajudar a evitar eventos de risco em massa em lugares como estádios, aeroportos e muito mais.
Divulgação
Divulgação

Fuel3D

Essa empresa criou um scanner 3D portátil (foto acima) que oferece captura de cor e formato de alta resolução para uma variedade de aplicativos de modelagem 3D, o que permite inúmeras medições precisas de um assunto. Imagine se o exército pudesse, a partir de uma foto de satélite, criar uma maquete em 3D de um território inimigo com extrema facilidade?
Divulgação
Divulgação

Tribogenics

Fabrica o Watson, uma máquina de raio-X portátil e barata (foto acima). Ela não é como o raio-x usado na medicina, e sim a análise por fluorescência, técnica conhecida no meio como XRF. A máquina requer apenas alguns segundos para identificar ligas metálicas. Ela consegue reconhecer até 423 tipos de metal. Algo útil na reciclagem de sucata e no controle de qualidade para a fabricação do metal usado nas armas e veículos do exército, por exemplo. A Watson, que agora está enviando volumes de produção em todo o mundo - requer apenas alguns segundos para completar a identificação positiva de material (PMI) de 423 ligas metálicas.
iStock
iStock

Skincential Sciences

Esta chama a atenção pelo caráter bizarro. Ela oferece a caneta de refino Clearista, com esfoliação focada para suavizar uma série de imperfeições de pele. O interessante é que o produto usa captação de informações bioquímicas (leia-se coleta de DNA) dos usuários para melhorar a pele. Útil contra cicatrizes de guerra, talvez?

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos