China vai regular provedores que permitem acesso a Google e Facebook no país

Em Pequim

A China lançou uma campanha para "colocar em ordem" os provedores de internet, em especial dos programas que permitem acessar páginas estrangeiras bloqueadas no país, como Facebook ou Google.

O Partido Comunista Chinês (PCC) no poder administra um amplo sistema de controle da rede: os comentários ou artigos considerados sensíveis são borrados, e aplicativos e páginas como Instagram, Twitter ou YouTube são inacessíveis.

Isto afeta a atividade das empresas presentes no país.

Para contornar esse bloqueio, muitas empresas, bem como indivíduos particulares, utilizam "redes privadas virtuais", designadas pela sigla

Os programas que permitem utilizar estas VPN podem ser encontrados online ou em lojas de aplicativos online para smartphones.

Muitos intelectuais e dissidentes chineses também usam VPN para postar no Facebook, Twitter ou YouTube de dentro do país.

Mas os provedores devem a partir de agora ter permissão oficial para criar ou alugar "linhas especiais de comunicação", incluindo VPN, informou no domingo o ministério da Indústria e Tecnologias da Informação.

O mercado de provedores tem visto um crescimento rápido "e vê os primeiros sinais de desenvolvimento anárquico, o que cria uma necessidade urgente de regulamentação", justifica o ministério.

Esta campanha de "colocar em ordem" vai durar até março de 2018.

A China tem o maior número de internautas no mundo: 731 milhões no final de 2016 (+ 6,2% em um ano), segundo anunciou no domingo o Centro de Informações da Internet (CNNIC), uma agência do governo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos