A polêmica do 'erro 53' que desabilita o iPhone 6 que passou por conserto 'não oficial'

  • Justin Sullivan/Getty Images/AFP

O chamado erro 53 desabilita o aparelho e torna as informações internas inacessíveis.

Seu nome é "erro 53" - e é implacável.

A mensagem aparece após a última atualização do sistema operacional da Apple, o iOS 9, em aparelhos iPhone 6 que passaram por algum reparo "não oficial" (fora dos centros de serviço autorizados). E faz com que o telefone deixe de funcionar.

O erro, na verdade, não é novo. Em informação publicada no site de suporte técnico da Apple e atualizada em 21 de dezembro, a empresa explica: "Quando o iOS encontra um módulo de Touch ID (o sistema de reconhecimento de impressões digitais do iPhone) não identificado ou inesperado, a verificação falha".

E completa: "Por exemplo, uma mudança de tela não autorizada ou defeituosa pode causar um erro na verificação". Neste caso, segundo a empresa, deve-se contatar o suporte da Apple para "informações sobre preços para consertos fora da garantia".

A novidade é que com o iOS 9 não importa se o reparo fora dos serviços autorizados ocorreu há semanas ou meses. O software identifica a operação e desabilita o telefone.

Quando isso ocorre, dados sem cópias de segurança (como fotos) ficam inacessíveis.

Até agora não há uma forma de reverter esse erro, nem nas lojas oficiais da Apple, e também não se sabe quanto usuários foram afetados.

'Medida de segurança'

Em comunicado enviado à BBC, a Apple informou que o erro 53 é "resultado de revisões de segurança".

"Levamos a segurança dos nossos clientes muito a sério", diz a nota. "O iOS checa se o sensor de Touch ID em seu iPhone ou iPad coincide de forma correta com outros do dispositivo".

"Se o iOS encontra um desajuste, essa checagem falha e o Touch ID, incluindo a função Apple Pay, é desabilitado. Essa medida de segurança é necessária para proteger seu dispositivo e prevenir o uso fraudulento do sensor de Touch ID".

A Apple recomenda a usuários que verificaram esse erro a procurar o suporte oficial da empresa.

Sem alternativa

Usuários costumam recorrer a reparos não autorizados por dois motivos básicos: porque são mais baratos ou pela ausência de empresas autorizadas onde vivem.

A empresa recomenda o contato com o suporte oficial, mas nem todos os países contam com o serviço.

O fotógrafo Antonio Olmos, que se diz viciado em produtos Apple, disse ao jornal inglês The Guardian que teve que recorrer a um reparo pirata quando trabalhava na Macedônia durante a atual crise de refugiados.

"Meu telefone caiu, e como precisava dele desesperadamente para trabalhar, mandei consertá-lo numa loja local, pois não há lojas da Apple na Macedônia. Consertaram a tela e o botão Home (início), e funcionou com perfeição", disse. Mas apenas até a atualização do software.

"Como uma companhia pode deixar seus próprios produtos inúteis com uma atualização e nem alertar os clientes sobre isso?", questionou o fotógrafo.

Uma possível solução, segundo especialistas em tecnologia, seria dar a opção aos usuários de recalibrar os aparelhos em uma loja Apple, evitando que os aparelhos deixassem de funcionar.

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos