De olho na segurança

Megaesquema de spam atinge 711 milhões de e-mails

  • Getty Images

Um pesquisador especializado em malware (softwares maliciosos) descobriu uma operação de envio de spam que afetou uma lista de 711,5 milhões de endereços de e-mail.

Aparentemente, trata-se da maior operação desse tipo já descoberta.

Os e-mails - em alguns casos acompanhados das senhas - parecem ter sido reunidos com a intenção de espalhar malware destinado a obter informações bancárias.

Você pode descobrir se o seu e-mail foi afetado neste site.

O operador da ferramenta, Troy Hunt, reconhece que alguns endereços eletrônicos não correspondem a contas reais. Mesmo assim, diz ele, o número de pessoas afetadas é "enlouquecedor".

Imagens escondidas

O robô por trás da operação de spam foi notado pela primeira vez por um especialista em segurança baseado em Paris, que se autointitula Benkow.

Mais tarde, o assunto chegou ao grande público por meio do site de notícias ZDNews.

A base de dados de 711 milhões de e-mails pode ser dividida em duas partes.

Quando os responsáveis pelo esquema só conheciam o endereço do e-mail, tudo o que faziam era enviar mensagens de spam para tentar convencer o usuário a revelar mais informações.

Em outros casos, os criminosos tinham as senhas e outros detalhes dos e-mails. Desta forma, era possível "sequestrar" secretamente as contas e usá-las para incrementar ainda mais a campanha de envio de spam. Um software chamado Onliner era usado para fazer os envios.

Benkow reconhece que é "muito difícil saber de onde as informações dos e-mails vieram". Mas sugere que parte dos dados roubados pode ter vindo de vazamentos anteriores, de uma operação de phishing (roubo de dados por meio de links falsos) no Facebook e de hackers que vendem informações pessoais de forma ilegal.

Em alguns casos, os criminosos tinham ainda os detalhes do código SMTP ("Protocolo de Transferência de Correio Simples") e dos servidores dos e-mails. Esses dados técnicos podiam ser usados para "enganar" os sistemas de detecção de spam do provedor de e-mail, fazendo chegar as mensagens que, de outra forma, não teriam alcançado as caixas de entrada.

Maior esquema?

"Mesmo que seja uma lista muito grande, provavelmente não é maior que outras já vistas", diz à BBC, por sua vez, Richard Cox, ex-chefe de informações do projeto Spamhaus.

"Quando uma conta comprometida começa a ser usada para enviar spam, essa atividade só pode ser interrompida se o usuário suspender a conta. Mas, com essa quantidade de contas envolvidas, os departamentos de segurança dos serviços de e-mail ficam sobrecarregados, deixando o processo lento e permitindo que o spam continue sendo enviado", diz Cox.

Benkow acrescenta que o software Onliner escondia imagens minúsculas, do tamanho de um pixel, nos emails que enviava. Isso permitia ao programa coletar informações sobre os computadores que recebiam as mensagens maliciosas.

Graças a esse artifício o programa enviava, na próxima leva de e-mails, o arquivo malicioso específico para infectar cada tipo de dispositivo. As mensagens subsequentes costumavam ser disfarçadas como boletos de cobrança de prestadores de serviços.

Por enquanto, os usuários podem descobrir se seus e-mails foram alvo da campanha de spam, mas não se as contas foram sequestradas.

Benkow diz à BBC que há medidas extras de proteção que os usuários podem adotar.

"Se você descobriu que está na lista de envio de malware, recomendo que você troque a sua senha e fique mais atento aos e-mails que você recebe."

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos