Quer? Relógio de piloto que escapou da morte em assento ejetável está à venda

Justin Mastine-Frost

  • Bloomberg

Algumas pessoas ganham um relógio sofisticado por terem trabalhado 25 anos na mesma empresa. Outras, por terem sido disparadas de um avião por um assento ejetável Martin-Baker. Jim Bernthal faz parte desse segundo grupo. E agora, ele colocou à venda seu Bremont Martin-Baker Special Edition MB1.

Entre as muitas encomendas e parcerias militares da relojoaria britânica, que incluem o U-2 (projetado para, e testado por, pilotos de aeronaves de vigilância de alta altitude Lockheed U-2), o primeiro modelo de sua série Martin-Baker "MB" é oferecido para venda apenas para pilotos que sobreviveram à traumática experiência de ser ejetado de um avião.

Para os colecionadores de relógios de aviação, esta venda, realizada através da Crown & Caliber, representa uma rara oportunidade de entrar em um dos mais exclusivos grupos de proprietários de relógios - sem antes ter que encarar a morte de frente.

Bernthal, que na época era instrutor de voo dos Fuzileiros Navais dos EUA, comprou seu MB1 (também conhecido como MBI) após um fatídico dia em março de 2008 na Estação Aérea Naval Meridian, em Mississipi.

As condições climáticas estavam tão adversas que ele achava que o T-45 Goshawk, um caça monomotor de assento duplo que ele pretendia voar como supervisor em uma missão de treinamento, não decolaria.

Graças ao talento de seu aprendiz e à relativa simplicidade da manobra esperada - um encontro coordenado em voo de dois jatos separados por apenas 300 metros - tudo saiu como planejado, diz Bernthal. Foi só no momento de aterrissar que a situação começou a se complicar.

"A princípio, achei que meu aluno estava simplesmente enfrentando vento de través, então não fiquei muito preocupado", diz Bernthal.

Por causa da camada de neblina presente na pista durante a decolagem, um "desvio legal" (basicamente, um plano B) tinha sido estabelecido, por via das dúvidas. Foi aí que a situação piorou.

Bernthal foi forçado a pegar os controles e decolar novamente quando o T-45 começou a patinar na pista. Sobrevoando a área, ficou evidente que os controles eletrônicos do jato não estavam reconhecendo a proximidade do avião ao solo (entre outros problemas). Quando começaram a pousar novamente, os freios e os controles falharam de novo. Bernthal só teve uma opção: acionar a alavanca amarela e preta do assento ejetável Martin-Baker antes que o jato se destruísse na floresta à frente.

Seu aluno pousou sem ferimentos, mas Bernthal não. O impulso de um assento ejetável exerce uma força gravitacional de cerca de 14 a 16 Gs sobre a coluna vertebral de um ser humano; a compressão vertical faz com que um em cada três sobreviventes da ejeção sofra uma fratura na coluna.

"Vender este relógio é algo bom e ruim", diz Bernthal, que considera que este objeto simbólico é uma "celebração da vida", porque ele recebeu uma segunda chance de viver.

"Ele me lembra não apenas o que aconteceu no dia em que ativei o assento ejetável do avião, mas também meu sonho de me tornar piloto de caça, o trabalho duro e a dedicação necessários para realizar esse sonho, e para onde o incidente me levou desde então."

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos