Jovem muçulmana propõe emoji de mulher com lenço de cabeça

Melissa Eddy

Em Berlim (Alemanha)

  • Aphelandra Messer/Divulgação

    Jovem muçulmana Rayouf Alhumedhi propõe emoji de mulher com lenço de cabeça

    Jovem muçulmana Rayouf Alhumedhi propõe emoji de mulher com lenço de cabeça

A opção de princesa, noiva ou bailarina não permitia que Rayouf Alhumedhi realmente se expressasse em uma sala de bate-papo que ela estava criando. Como adolescente muçulmana na Alemanha que usa um lenço de cabeça, o "hijab", ela ficou desanimada com as opções de emojis que havia no teclado de seu smartphone.

Por que não havia um símbolo de uma mulher com um "hijab", como o que ela usa?, perguntou-se.

Alhumedhi escreveu para a Apple, mas não teve resposta. Um pouco de pesquisa online levou a jovem a um artigo sobre como sugerir um novo emoji, então ela elaborou uma proposta e a enviou por e-mail ao Unicode Consortium, que supervisiona os critérios para a adoção de símbolos nos teclados. Seu pedido chamou a atenção de Jennifer Lee, uma ex-repórter de "The New York Times", que se tornou coautora da proposta. Ela sugeriu que Alhumedhi incluísse uma breve história do hijab e acrescentasse pesquisa para demonstrar sua importância.

"Na era da digitalização, as imagens são um elemento crucial na comunicação", diz a proposta. "Aproximadamente 550 milhões de mulheres muçulmanas nesta terra se orgulham de usar o hijab. Com esse número enorme de pessoas, não há um espaço no teclado reservado a elas."

As mulheres pedem cada vez mais uma melhor representação nos teclados dos smartphones, que, segundo elas, não permitem sua representação adequada no que se tornou um elemento essencial no diálogo cotidiano para muitas pessoas no mundo moderno.

Quatro funcionárias da Google também propuseram expandir os emojis femininos para refletir algumas profissões em que as mulheres atuam: administração de empresas, educação, agricultura e tecnologia.

Alhumedhi, que nasceu na Arábia Saudita e hoje vive em Berlim, onde cursa o estudo secundário, começou a usar o lenço na cabeça aos 13 anos. Embora ela nunca tenha sido assediada por cobrir os cabelos, viu pessoas olhando duro para ela. Mais um motivo, segundo disse, para tentar que o lenço seja incluído no teclado.

"Precisamos ser representadas com a quantidade de diversidade, a quantidade de diferença que há neste mundo", disse.

Em uma discussão online no Reddit na terça-feira (13), a jovem respondeu a perguntas sobre o significado do hijab para ela e reagiu a críticas que afirmavam que o lenço representa a opressão das mulheres.

"Eu gostaria de ser representada e reconhecida", escreveu ela. "Pode parecer surpreendente, mas quando uso o lenço na cabeça na verdade me sinto liberada porque estou no controle do que eu quero cobrir. O lenço permite que as pessoas vejam além da beleza de uma mulher, que a vejam por seu conhecimento."

Um debate em curso na Europa sobre a vestimenta que encobre as mulheres muçulmanas cresceu neste verão, especialmente na França, onde cidades litorâneas da Riviera tentaram proibir o traje de banho que cobre todo o corpo, conhecido como "burquíni". Muitas das proibições foram depois canceladas.

Mais de mil mulheres que responderam a um pedido do "New York Times" sobre sua opinião descreveram sua vida como mulheres visivelmente muçulmanas na França e na Bélgica como "uma luta".

Snapchat UOLoficial te ensina a usar o Bitmoji

Na Alemanha no mês passado, membros da coalizão de governo conservadora da chanceler Angela Merkel pediram que os véus na face sejam restritos nas escolas e universidades e enquanto dirigem. O tribunal constitucional do país derrubou no ano passado uma lei de várias décadas que impedia que professoras muçulmanas usassem lenços de cabeça nas escolas públicas, dizendo que a lei violava a liberdade religiosa das professoras. Mas ainda há regulamentação que impede as mulheres de cobrir o rosto com véus.

Muitas mulheres muçulmanas que estavam entre o 1 milhão de migrantes que chegaram à Alemanha no ano passado usam lenços de cabeça e relataram que receberam insultos e cuspidas quando estavam em pontos de ônibus ou sentadas em bancos de parque.

Alhumedhi irá à Área da Baía, na Califórnia, para apresentar sua proposta, que inclui uma opção de emoji para homens muçulmanos que usam o "kaffiyeh" (pano sobre a cabeça), ao comitê técnico da Unicode em novembro. Se for aprovado, se tornará um "emoji candidato" à aceitação do Unicode 10, que será anunciado em junho de 2017 e adotado no outono.

Um defensor destacado da ideia de Alhumedhi é Alexis Ohanian, cofundador do Reddit, que disse considerar a proposta parte de um esforço constante para tornar a tecnologia mais inclusiva para as mulheres e outros grupos que se sentem marginalizados.

"O emoji pode não parecer muita coisa, mas é mais uma maneira de muita gente se sentir reconhecida e representada --e isso é bom", disse ele.

Tradutor: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos