Microsoft diminui foco em smartphones e analistas projetam saída do setor

Dina Bass e Olga Kharif

  • Divulgação

    Satya Nadella, diretor-executivo da Microsoft

    Satya Nadella, diretor-executivo da Microsoft

Para a Microsoft Corp., talvez até os mais ínfimos planos sejam ambiciosos demais caso se trate de smartphones.

Depois de fazer a baixa contábil de quase todo o valor da unidade de telefones da Nokia que a empresa tinha comprado há um ano e de demitir cerca de quatro quintos dos funcionários da Nokia, o CEO Satya Nadella vai voltar a se concentrar em um número menor de aparelhos, destinados a três grupos de pessoas: usuários corporativos, clientes preocupados com custos e amantes do Windows.

A lógica é que a Microsoft continue no segmento de telefones na esperança de atrair um grupo nuclear e menor de usuários - como um player de nicho -. Essa é a estratégia que Nadella adotou com certo sucesso para os tablets Surface.

No entanto, até isso vai ser difícil. O iPhone, da Apple Inc., e os aparelhos que utilizam o sistema operacional Android, do Google Inc., predominam entre os clientes que a Microsoft deseja. Quanto aos fanáticos do Windows Phone, já constatou-se que esse grupo é pequeno.

A história está repleta de fabricantes de telefones que tentaram se recuperar da perda de participação no mercado e mal conseguiram manter a cabeça fora d'água ou acabaram afundando ainda mais, da BlackBerry à própria Nokia, que um dia foi a maior fabricante de celulares. Mesmo que a Microsoft deixe de tentar ser um player grande com essa mudança de foco, o resultado mais provável é que ela continue perdendo participação, o que obrigará a companhia a abandonar esse mercado antes que seja tarde demais, disseram analistas.

"Parece que as cortinas estão sendo fechadas", disse Will Stofega, diretor de programa da empresa de pesquisa de mercado IDC, em uma entrevista. Ele estima que a fatia do mercado móvel do Windows vai passar de 3 por cento para zero dentro de um ano. "O panorama não é bom".

Compromisso de Nadella

Nadella, em um memorando enviado aos funcionários para anunciar as demissões de quarta-feira, prometeu não abandonar os smartphones. "Estou comprometido com os aparelhos que nós fabricamos, inclusive com os telefones", escreveu ele.

"[A Microsoft] ainda não está desistindo de seus próprios aparelhos nem do Windows Phone, mas acho que isso é inevitável", disse Jan Dawson, analista-chefe da Jackdaw Research.

A Microsoft vai lançar um ou dois modelos por ano para cada uma das três categorias, reduzindo assim uma unidade que atualmente oferece cerca de um modelo novo por semana caso se considerem todas as versões modificadas para distintas regiões e operadoras, disse uma fonte do setor que pediu anonimato porque as informações não são públicas. A empresa disse também que vai abandonar relações com operadoras e países onde não teve sucesso, disse a fonte, embora vá continuar vendendo aparelhos nos EUA devido ao tamanho e à importância desse mercado.

"Faz sentido e acho que eles poderão manter isso", disse Ramón Llamas, gerente de pesquisa da IDC, em relação ao novo plano para a unidade de telefones. "Acho que a Microsoft não poderia se dar ao luxo de sair do segmento de smartphones. Ela precisa continuar lá".

Título em inglês: 'Microsoft's Narrowed Phone Focus Seen Forcing Exit Down the Line'

Para entrar em contato com os repórteres: Dina Bass, em Seattle, dbass2@bloomberg.net; Olga Kharif, em Portland, okharif@bloomberg.net

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos