Wal-Mart pede permissão nos EUA para testar drones em serviço de entrega

O Wal-Mart pediu permissão as autoridades dos Estados Unidos para testar drones para fazer entregas, seguindo os passos da gigante do comércio eletrônico Amazon, confirmou nesta terça-feira a rede de hipermercados.

Wal-Mart, o maior empregador privado do mundo - com mais de dois milhões de trabalhadores, também quer utilizar essa tecnologia aérea para supervisionar seus estabelecimentos, armazéns e centros de distribuição.

A companhia solicitou ontem à Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA), regulador do setor, a permissão para uso dos drones.

Wal-Mart já tinha feito testes com drones em espaços cobertos, mas agora quer experimentar ao ar livre, para o que necessita de uma permissão da FAA para operar os "pequenos sistemas de aviões não-tripulados", como são chamados pela indústria da aviação.

A empresa pretende utilizar os artefatos para criar uma rede de abastecimento mais eficiente, explicou o porta-voz do Wal-Mart, Dan Toporek.

"Fazemos testes por um motivo. Porque aprende durante as provas, tende a evoluir e determinar quais enfoques são os mais convincentes para os clientes e os mais eficientes para o negócio", ressaltou Toporek.

A Amazon já havia decidido explorar as possibilidades da distribuição com drones. A empresa começou o março em Miami os testes de entrega de pacotes com o uso de aviões não-tripulados, após receber a permissão da FAA, cujo processo de autorização costuma durar uns 120 dias.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos