Crise da Samsung começou por pressa em desbancar iPhone

Yoolim Lee e Min Jeong Lee

  • Divulgação

Poucas coisas são tão motivadoras para os funcionários da Samsung quanto a chance de tirar proveito da fraqueza da Apple.

No início deste ano, gerentes da empresa sul-coreana começaram a ouvir que o próximo iPhone não teria nenhuma inovação de encher os olhos. Além disso, o aparelho teria um aspecto semelhante ao dos dois modelos anteriores. Parecia uma possível chance para que a Samsung saísse na frente.

Então o alto escalão da Samsung Electronics, inclusive D.J. Koh, chefe de telefones, decidiu acelerar o lançamento de um novo telefone que, tinha-se certeza, iria impressionar os consumidores e aproveitar a oportunidade, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto.

A Samsung pressionou os fornecedores a cumprir prazos mais curtos, apesar da enorme quantidade de novos recursos, disse outra pessoa com conhecimento direto. O Note 7 teria uma tela de alta resolução arredondada nas bordas, segurança com reconhecimento de íris e uma bateria mais potente que se carrega com maior rapidez. As provocações da Apple de que a Samsung era uma imitadora seriam caladas de vez.

Mas o tiro saiu pela culatra. Poucos dias depois que a Samsung lançou o Note 7, surgiram queixas na internet de explosão da bateria do telefone. No fim do mês, havia dezenas de casos de incêndio e a Samsung corria para entender o que deu errado.

No dia 2 de setembro, Koh concedeu uma triste entrevista coletiva em Seul, quando anunciou que a Samsung iria substituir todos os 2,5 milhões de telefones que haviam sido distribuídos até o momento. O que deveria ter sido um triunfo se transformou em um fiasco.

A Samsung também foi criticada pelo recall. A empresa anunciou os planos publicamente antes de definir como os milhões de consumidores em 10 países receberiam o aparelho substituto. Depois, transmitiu mensagens contraditórias em relação a como os consumidores deveriam proceder.

Primeiro, a Samsung pediu que as pessoas desligassem os telefones e deixassem de usá-lo. Poucos dias depois, ofereceu correções do software para evitar o sobreaquecimento da bateria, sinalizando que os consumidores poderiam continuar usando o telefone.

"Isso está gerando um problema enorme para a empresa -- para sua reputação e sua capacidade de atender aos clientes quando ocorre um problema", disse David Yoffie, professor de administração da Harvard Business School e membro do conselho da Intel.

A Samsung não quis comentar especificamente se modificou o lançamento do Note 7 devido à sua percepção sobre o iPhone. "O momento do lançamento de qualquer novo produto de tecnologia móvel é definido pela divisão de negócios móveis com base na finalização adequada do processo de desenvolvimento e no fato de que o produto estar pronto para o mercado", informou a empresa em um comunicado.

Esse passo em falso desencadeou um exame de consciência no conglomerado Samsung e na Coreia do Sul, onde a empresa emprega centenas de milhares de pessoas e é reverenciada por conduzir a ascensão do país depois da Guerra da Coreia.

A emblemática unidade de produtos eletrônicos da Samsung construiu sua reputação com produtos de alta qualidade e com tecnologia de ponta e se tornou a maior fabricante de telefones do mundo e uma poderosa rival da Apple em termos de inovação. Um funcionário, em um grupo de discussão online, disse que esse episódio foi "humilhante".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos