Google e Yahoo bloqueiam anúncios de seleção de gênero na Índia

Saritha Rai

  • Kimberly White/Reuters

    Sede do Yahoo! em Sunnyvale, na Califórnia (Estados Unidos)

    Sede do Yahoo! em Sunnyvale, na Califórnia (Estados Unidos)

O Google, da Alphabet, o Yahoo e a Microsoft concordaram em bloquear anúncios para serviços indianos que ajudam a determinar o sexo de um bebê antes do nascimento, cumprindo leis pensadas para combater um dos piores desequilíbrios entre gêneros do mundo.

As três empresas prometeram cumprir a proibição da promoção de testes de determinação do sexo e de produtos relacionados, disse o Ministério da Saúde à Corte Suprema da Índia, na segunda-feira. O tribunal analisava um caso que buscava a abolição de todo o conteúdo dos mecanismos de busca que promovem esses serviços.

Neste ano, a mais alta corte da Índia repreendeu os gigantes de busca por ignorarem as regulações internas e os advertiu a respeitarem a lei ou a encerrarem as operações no país. Mas o trio havia dito que as amplas proibições às palavras-chave transgressoras também bloqueariam conteúdo não-promocional, como relatórios de pesquisa e artigos noticiosos. O Ministério da Saúde indiano não informou, durante o depoimento na segunda-feira, como as empresas pensavam em efetuar a proibição.

O feticídio e o infanticídio femininos são problemas sérios na Índia, onde há 943 mulheres para cada 1.000 homens, segundo o último censo nacional, de 2011. Realizar, vender e fazer publicidade de serviços de seleção de sexo de fetos virou infração passível de sanção em 1994, proibindo, assim, a determinação do sexo e os abortos. Contudo, milhares de fetos femininos são abortados em sigilo a cada ano em clínicas de comunidades locais com forte preferência por filhos do sexo masculino.

Alguns pais preferem filhos porque se considera que eles são provedores mais confiáveis e têm uma capacidade maior de carregar o nome da família.

As crianças do sexo masculino são conhecidas por terem nutrição e educação melhores e um relatório de 2015 da Organização das Nações Unidas informou que a Índia tinha uma das proporções entre gêneros mais distorcidas do mundo no grupo etário de menos de cinco anos. A ONU acrescentou que 100 meninas morrem até os cinco anos para cada 93 meninos.

O Google afirmou que tomou medidas para evitar as buscas e os anúncios e, assim, cumprir as leis locais. Isso inclui a desabilitação das previsões do autocompletar para termos relevantes em seu site e a exibição de um alerta para informar aos usuários que a triagem e o teste de gênero pré-natal são ilegais na Índia.

O Yahoo informou por email que a empresa não pode fazer comentários porque o assunto está sub judice. A Microsoft não respondeu imediatamente aos pedidos de comentário.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos