Twitter testa resposta sem "@"; recurso facilita bullying, dizem usuários

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/Viganunu

    Mudanças começaram com um grupo seleto de usuários

    Mudanças começaram com um grupo seleto de usuários

O Twitter está testando com alguns usuários o uso de uma ferramenta que poderá ser liberada para todo mundo em breve: a retirada dos nomes de perfis de Twitter, que começam com uma arroba (@), da contagem de caracteres.

Poderia ser uma boa notícia para quem acha que o limite de 140 caracteres das postagens no Twitter é pequeno. Mas a novidade está confundindo e preocupando quem a testou, pois pode dificultar o entendimento da ordem e do contexto da conversa, além de facilitar abusos em massa.

O recurso está sendo testado para alguns usuários no app do Twitter para iOS. Segundo os relatos desses usuários, todos os @apelidos desaparecem quando a mensagem é publicada, permitindo que os 140 caracteres sejam usados apenas para texto.

Uma captura de tela de Tressie McMillan Cottom, professora de sociologia na Universidade de Harvard, mostra como fica a interface no app: as pessoas que foram incluídas na conversa ficam em uma linha abaixo da linha que mostra o autor do tuíte em questão.

Reprodução
Nova forma de mostrar as pessoas na conversa no Twitter confunde usuários

Para ver todos na conversa, agora é preciso tocar em um link "Outros" em uma resposta, revelando uma janela pop-up com os participantes.

No entanto, usuários como a professora e Matthew Panzarino, editor do site "Techcrunch", se mostraram descontentes com a mudança. "Quando eu tento responder a um tuíte, eu não tenho nenhuma ideia de a quem estou respondendo", disse Tressie.

"Um minúsculo texto (mostrando os @apelidos) significa 'não olhe para mim', por isso é preciso mais atenção e carga cognitiva para perceber quem está em uma conversa ou sendo respondido", criticou Panzarino.

Segundo ele, se você responder a várias pessoas, você é apresentado apenas ao @apelido da última pessoa, e será esse o que aparecerá nas cadeias de resposta que as pessoas verão dentro do tuíte em suas próprias linhas do tempo. 

Além disso, a forma com que a ferramenta está funcionando dificulta a retirada de alguém que tenha sido incluído na conversa sem permissão, pois é preciso que outra pessoa a desabilite da cadeia da conversa para retirá-la.

Outro problema apontado pelos testes é que o novo recurso facilita que "trolls" sejam incluídos na conversa e encham o usuário de mensagens abusivas sem que seja fácil de identificá-lo.

"Às vezes uso o Twitter para se envolver em conversas que, se visíveis para toda a minha linha do tempo, poderiam me deixar vulnerável ao abuso de não-seguidores. Tudo que faz com que seja mais difícil para mim identificar os usuários em um tuíte aumenta o risco de que eu poderia responder a uma isca de um 'troll'", diz Tressie.

"As pessoas entendem nomes como nomes. Remover iconografias como fotos de perfil ou '@apelidos' do tuíte exclui contexto importante e cria uma confusão, onde não há necessidade", concluiu Panzarino.

O Twitter ainda não se manifestou sobre essas primeiras reações aos testes dessa nova ferramenta.

Em setembro, a empresa parou de contar caracteres ao incluir fotos e vídeos em um tuíte.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos