Uber terá que pagar R$ 12 mil a cliente por erro de motorista em percurso

Do UOL, em São Paulo

  • Geoffroy Van der Hasselt /AFP

O Tribunal de Justiça do Maranhão condenou o aplicativo de caronas Uber a pagar uma indenização por dano moral no valor de R$ 12 mil a uma cliente que perdeu um voo no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro. A autora da ação alegou ter se atrasado para o embarque por causa do motorista que teria errado o caminho.

A decisão, que ainda cabe recurso, foi tomada pelo juiz Manoel Aureliano Ferreira Neto, titular do 8º Juizado Especial Cível e das Relações de Consumo, que ressaltou ter ficado comprovado que "a vítima" teria feito o pedido do carro duas horas antes do horário do embarque para São Luís (Maranhão).

O magistrado também destacou ter sido comprovado que o motorista errou o caminho, aumentando o tempo e a distância até o destino da passageira. "O reconhecimento do vício na prestação do serviço se encontra confessado no e-mail enviado pelo Uber para a referida senhora, cujos termos dizem: 'calculamos o valor da viagem caso o motorista tivesse seguido a rota ideal e fizemos o estorno da diferença'. Todos esses elementos probatórios dos autos, ora examinados, servem de sustentação para tal decisão".

Em sua defesa, o Uber alegou durante o julgamento que a cliente teria sido responsável pela perda da viagem, contratando o serviço com menos de 120 minutos antes do voo, fato esse que contraria a orientação da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) de que os passageiros estejam no aeroporto duas horas antes da viagem.

A Justiça não acatou a alegação da Uber. "Quem sofre o constrangimento, tem legitimidade para requerer a reparação. Dois passageiros estavam no veículo, e esses dois passageiros sofreram constrangimentos, em face do grave vício na prestação do serviço", afirmou Ferreira Neto, que também destacou o crescimento do aplicativo no país.

"A demandada está chegando ao mercado, atuando com bastante resistência em São Paulo, no Rio de Janeiro e em outros grandes centros. Deveria, como deve, corrigir os seus defeitos, a fim de que os seus serviços não venham a ser questionados judicialmente, ou mesmo extrajudicialmente, não dando guarida para aqueles que lutam no sentido de que essa nova atividade da Uber não se instale de forma definitiva", completou o juiz em sua decisão.

A sentença, como descreveu Ferreira Neto, tem o sentido pedagógico, mas com viés de punição, para que o Uber "possa melhor se adequar às exigências do mercado".

O UOL Tecnologia entrou em contato com Uber, que disse que vai recorrer da decisão. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos