Facebook agora bloqueia compartilhamento de foto íntima e ajuda vítima

Do UOL, em São Paulo

  • Arte UOL

O Facebook anunciou nesta quarta-feira (5) que está implantando novas ferramentas para impedir que fotos íntimas sem autorização sejam compartilhadas.

Segundo a empresa, a partir do momento em que a imagem é denunciada, ela recebe um filtro que impede a identificação do conteúdo e o seu compartilhamento fica bloqueado enquanto uma equipe da empresa faz a revisão da publicação.

As regras valem para o Facebook, Messenger e Instagram e já estão sendo liberadas para os usuários, segundo a assessoria de imprensa do Facebook.

O procedimento para fazer a denúncia é semelhante ao que já existe em casos de fotos contendo nudez e de atividade sexual. O usuário que achar que uma imagem íntima foi compartilhada sem permissão pode denunciá-la ao clicar na foto e ir no ícone "Opções".

Basta selecionar a opção que melhor descreve o problema (no caso, compartilhamento de fotos íntimas) e seguir as instruções da tela.

Uma equipe responsável fará a revisão do conteúdo e vai avaliar se ela viola as regras da companhia. Caso seja detectada a violação, a imagem será removida e enviada para um banco de imagens. Em alguns casos, a conta do responsável pelo compartilhamento será desativada.

Se o usuário que teve a conta desativada achar que a imagem foi retirada por engando, poderá recorrer.

Outra medida adotada pela empresa é a tecnologia de "photo-matching" (identificação de imagens semelhantes). Mesmo depois de removida, a foto íntima pode ser novamente compartilhada. Caso o sistema identifique a tentativa, ele vai alertar o perfil que está tentando compartilhar o conteúdo, ressaltando que ele viola suas políticas e que o compartilhamento não será possível.

Apoio às vítimas

Além das ferramentas, o Facebook anunciou uma parceria com organizações de segurança que oferecem apoio às vítimas deste tipo de prática. Entre elas estão a Cyber Civil Rights Initiative, nos Estados Unidos.

O objetivo é criar um canal único em que as pessoas possam falar sobre o assunto para que as empresas de tecnologia obtenham informações que possam ajudar a melhorar processos e ferramentas no combater à exposição indevida. O Facebook não detalhou como funcionará este canal.

Vaquinha virtual no Facebook

Divulgação
"Vaquinha virtual" no Facebook

O Facebook também decidiu expandir suas ferramentas que envolvem campanhas de caridade.

Chamada de fundraiser pessoal, usuários e organizações não governamentais poderão criar suas páginas com campanhas de mobilização de recursos e receberem as doações dentro dos próprios perfis. Além de publicar fotos, vídeos e informações sobre seus eventos.

Na hora da criação é possível escolher se a campanha está relacionada a educação, medicina, procedimentos veterinários, desastres naturais, emergência pessoal ou funeral/perda de um ente querido.

De acordo com o Facebook, os fundraisers pessoais pagarão uma taxa de 6,9% + US$ 30 para manter suas campanhas.

Por enquanto, o recurso está liberado apenas nos Estados Unidos. Não há previsão para ser liberado em outros países. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos