Tribunal italiano relaciona uso excessivo de celular a câncer cerebral

Deutschewelle

  • Getty Images

Um tribunal italiano reconheceu pela primeira vez a relação entre o uso excessivo do celular e o câncer cerebral ao dar um veredicto a favor de um ex-executivo que alega ter desenvolvido tumores no nervo auditivo devido ao uso do aparelho e pedia uma indenização do Estado.É a primeira sentença do tipo já emitida no mundo.

Segundo a defesa, Roberto Romeo, de 57 anos, usava o celular de três a quatro horas por dia no trabalho durante 15 anos. Em 2010, ele foi diagnosticado com o tumor no canal auditivo interno. Devido à doença, que levou à retirada de um nervo, ele perdeu 23% da audição.

"Não tinha alternativa e precisava telefonar o tempo todo", afirmou nesta quinta-feira (20/04) Romeo, que entrou com uma ação pedindo uma indenização pela perda da audição.

O tribunal de Ivrea, no norte da Itália, concluiu que o neurinoma do acústico foi causado pelo uso do celular e, desta maneira, julgou procedente a ação e condenou a agência nacional italiana de seguro a pagar 500 euros por mês de indenização ao ex-executivo.

Pesquisadores discordam sobre o uso do celular ser cancerígeno. O Instituto Nacional Americano afirma que um número limitado de estudos associou o aparelho à doença, mas a maioria das pesquisas não confirmou essa ligação.

Em 2011, a Agência de Pesquisa Internacional sobre Câncer classificou o celular com possivelmente cancerígeno, mas destacou mais estudos necessitam ser feitos para comprovar realmente esse perigo.

Especialistas afirmam que ainda é muito cedo para saber os efeitos desta tecnologia em humanos.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos