WhatsApp

WhatsApp se defende no STF de bloqueios e diz que criptografia é inviolável

Do UOL, em São Paulo*

  • Justin Sullivan/Getty Images/AFP

    Facebook e WhatsApp se defenderam contra bloqueios do aplicativo

    Facebook e WhatsApp se defenderam contra bloqueios do aplicativo

O WhatsApp se defendeu nesta sexta-feira (2), em audiência pública realizada no STF (Supremo Tribunal Federal) para discutir os bloqueios judiciais do aplicativo. O cofundador do serviço compareceu à audiência e disse que a tecnologia de criptografia de ponta a ponta é "inviolável".

"As chaves relativas a uma conversa são restritas aos interlocutores dessa conversa. Ninguém tem acesso, nem o WhatsApp. Não há como tirar [a criptografia] para um usuário específico, a não ser que se inutilize o WhatsApp para ele", explicou o engenheiro Brian Acton.

A tecnologia, segundo Acton, faz com que as pessoas se comuniquem sem medo em todo o mundo. O engenheiro alega que se a criptografia de ponta a ponta for retirada de um usuário do WhatsApp, teria que ser retirada de todos. E, nesse caso, hackers poderiam ter acesso a conversas dos usuários.

O Facebook, dono do WhatsApp, também esteve presente na audiência pública. O diretor de Relações Governamentais e Políticas Públicas do Facebook Brasil, Bruno Magrani, defendeu a importância da criptografia.

"A criptografia é benéfica e complementar ao trabalho das autoridades, pois permite uma conversa segura entre elas. É uma ferramenta de segurança usada por diversos governos em situações de segurança nacional. Sem ela, haveria muito mais incidentes de segurança", apontou.

Segundo Magrani, o Facebook não tem acesso aos dados do WhatsApp. O executivo ainda relata que em 2016 houve 3,5 mil requisições de dados por autoridades policiais. A audiência pública seguirá até a próxima segunda. 

MP defende sanções ao WhatsApp

Indicados pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, três representantes do Ministério Público defenderam sanções ao WhatsApp. A coordenadora do Grupo de Apoio no Combate aos Crimes Cibernéticos da 2ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, Neide Cardoso de Oliveira, posicionou-se em favor da improcedência das ações que apontam a inconstitucionalidade dos bloqueios judiciais do app.

"A suspensão temporária de um aplicativo que de forma contumaz descumpre a legislação brasileira não viola, nem de longe, os direitos à comunicação e à liberdade de expressão garantidos por outros meios, inclusive com a utilização de mecanismos idênticos, também gratuitos", disse. 

A representante do MP defendeu ainda que o direito de comunicação seja moldado tendo em vista outros direitos. "Os diretos à comunicação e à liberdade de expressão não são absolutos, podem ser modulados para a proteção de outros direitos igualmente importantes, como o direito à vida, à dignidade, à proteção integral da criança, à privacidade, entre outros que são protegidos em investigações de crimes graves".

Neide ainda defendeu que o Facebook e o WhatsApp são uma empresa só. Já outra integrante do grupo, Fernanda Domingos, duvidou da criptografia de ponta a ponta dada como justificativa pelo WhatsApp. 

"Não sabemos ao certo se essa tecnologia é empregada mesmo porque não houve auditoria nos sistemas do WhatsApp, e talvez nem seja possível auditar", opinou Domingos, que lembrou que os crimes investigados envolvem tráfico de drogas, de armas e de pessoas, troca de pornografia infantil, preparação de sequestros, de homicídios e de atentados terroristas.

Bloqueios do WhatsApp

O WhatsApp foi bloqueado em três oportunidades pela Justiça brasileira por descumprir ordens para entregar conversas de investigados que ocorreram pelo aplicativo. Em todas as oportunidades, o mensageiro disse não ter acesso às conversas.

A audiência pública desta sexta foi convocada pelo ministro Edson Fachin, em razão da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 403) ajuizada pelo Partido Popular Socialista (PPS). A ação questiona a constitucionalidade dos bloqueios judiciais do aplicativo.

O PPS diz que a suspensão dos serviços viola o preceito fundamental da liberdade de expressão e comunicação, previsto na Constituição Federal e também na Lei 12.965/2014, conhecida como Marco Civil da Internet.

A ação foi ajuizada em julho deste ano para questionar decisão do juiz da Vara Criminal de Lagarto (SE), que bloqueou o aplicativo e deixou milhões de pessoas no Brasil sem acesso ao mensageiro.

*Com informações do STF

Chega de áudio no WhatsApp! Dá para transformar voz em texto, sem digitar

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos