Robô de natação detecta danos na usina nuclear do Japão

Mari Yamaguchi

Da AP, em Yokosuka (Japão)

  • Shuji Kajiyama/AP

    Robô recentemente desenvolvido para a investigação subaquática de um reator danificado em Fukushima move-se pela água em uma instalação de teste em Yokosuka, perto de Tóquio

    Robô recentemente desenvolvido para a investigação subaquática de um reator danificado em Fukushima move-se pela água em uma instalação de teste em Yokosuka, perto de Tóquio

Um grupo industrial japonês revelou na quinta-feira (15) um robô projetado para sondas subaquáticas de danos causados ​​por colapso na central nuclear de Dai-Ichi, em Fukushima, após o terremoto e o tsunami de março de 2011.

Os robôs controlados remotamente são fundamentais para o processo de desativação da usina que dura décadas. Mas a radiação superalta e os danos estruturais dentro dos reatores dificultaram as tentativas anteriores de inspecionar áreas próximas aos núcleos dos reatores.

Os desenvolvedores da tecnologia dizem que planejam enviar o novo "mini manbo", ou "peixinho pequeno", apelidos da sonda destinada ao vaso de contenção primário da Unidade 3 em Fukushima, em julho, para estudar a extensão do dano e localizar partes do combustível derretido que se pensa ter caído no fundo da câmara, submersa por água altamente radioativa.

O robô, do tamanho de uma fatia de pão, está equipado com luzes e manejos com hélices de cauda e coleta dados usando duas câmeras e um dosímetro.

Durante a demonstração de quinta-feira em uma instalação de teste perto de Tóquio, a sonda deslizou lentamente por um trilho e entrou da água. Uma equipe operou remotamente, com uma pessoa guiando o robô, enquanto outra ajustou um cabo que transmite dados e serve como a linha de vida do robô. A sonda entrou em uma maquete de um recipiente de contenção, com as luzes brilhando na água turva.

Os funcionários querem enviar a sonda nadando profundamente no reator para iluminar a área embaixo do seu núcleo.

"A maior vantagem é que pode evitar vários obstáculos", disse Tsutomu Takeuchi, gerente sênior da divisão de energia nuclear da Toshiba, a empresa de eletrônicos e energia responsável por ajudar a limpar a usina.

O Japão espera localizar e começar a remover combustível dos reatores após as Olimpíadas de 2020 de Tóquio.

Os robôs em forma de escorpião testados anteriormente ficaram presos dentro de dois reatores. A função de rastreamento do robô-escorpião falhou e foi deixada dentro do recipiente de contenção da unidade 2 da planta.

O outro, projetado para limpar detritos para a sonda "escorpião", foi chamado de volta depois de duas horas quando duas de suas câmeras pararam de funcionar depois que sua exposição total à radiação atingiu 1.000 Sievert - um nível que mataria um ser humano em segundos. O plano tinha sido usar o robô por 10 horas a um nível de exposição de 100 Sievert por hora.

O robô de natação foi codesenvolvido pela Toshiba e o Instituto Internacional de Pesquisa para o Desmantelamento Nuclear, ou IRID, um consórcio financiado pelo governo.

A IRID e seus parceiros projetaram outros robôs básicos, incluindo um robô de braço "muscular" fabricado pela Hitachi-GE Nuclear Energy e um robô de braço diferente fabricado pela Mitsubishi Heavy Industries, que são projetados para aproximar os detritos dos lados dos reatores.

O diretor da IRID, Hirotsugu Fujiwara, disse que o maior desafio é descobrir como remover detritos derretidos. Ele está interessado em finalmente ver as condições dentro da Unidade 3. "Eu sinto que estamos finalmente na linha inicial da desativação", disse ele.

Os cientistas precisam saber a localização exata do combustível nuclear derretido e entender os danos estruturais em cada um dos três reatores destruídos para descobrir a maneira ideal e segura de remover o combustível.

"Os restos de combustível serão um desafio", disse Dale Klein, ex-chefe da Comissão de Regulação Nuclear dos Estados Unidos, que agora atua como assessor externo da Tokyo Electric Power Co., a operadora da fábrica. Ele disse que poderia levar seis meses a um ano para obter os dados necessários e decidir sobre como remover o combustível.

"Ninguém no mundo já teve que remover material como este antes. Então, isso é algo novo e teria que ser feito com cuidado e precisão", disse Klein.

Funcionários japoneses dizem que querem determinar os métodos preliminares de remoção neste verão e começar a trabalhar em 2021.

A TEPCO está lutando com a desativação da usina, que agora deverá custar 8 trilhões de ienes (US$ 70 bilhões), quatro vezes a estimativa anterior. Uma parte desse custo será incluída nas contas de serviços públicos japoneses.

O derretimento de 2011 forçou dezenas de milhares de moradores próximos a evacuarem suas casas. Muitos ainda não conseguem retornar por causa dos altos níveis de radiação.

Pula, gira e corre! Robô Handle causa espanto por movimentos de superatleta

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos