Google adota feed semelhante ao das redes sociais

Mark Bergen

Da Bloomberg

  • Divulgação

    O novo feed do Google, mais próximo do que é visto nas redes sociais

    O novo feed do Google, mais próximo do que é visto nas redes sociais

Anos atrás, o Google construiu uma rede social separada de seu precioso ativo, as buscas na internet. A iniciativa fracassou. Agora a empresa está tentando novamente -- só que dessa vez está transformando seu mecanismo de busca em algo muito parecido ao feed de notícias de uma rede social.

A unidade da Alphabet está lançando um feed personalizado de notícias, entretenimento e uma mistura de conteúdo web baseados nas pesquisas dos usuários, em visualizações de vídeos no YouTube e em outras informações pessoais.

Trata-se de uma expansão de um serviço móvel mais antigo chamado Google Now. No entanto, alguns recursos extras -- informações das tendências locais e a possibilidade de "seguir" figuras públicas, por exemplo -- dão ao feed de pesquisa do Google uma sensação semelhante ao do fluxo algorítmico do feed de notícias do Facebook. Esse recurso ajudou o Facebook a capturar as atenções on-line como poucas outras empresas.

"Queremos que as pessoas entendam que estão consumindo informações do Google", disse Sashi Thakur, vice-presidente de engenharia da Google, a jornalistas. "Só que será sem consultas."

A Google está interessada há muito tempo em tornar a pesquisa mais pessoal e proativa. Quando os usuários estão logados em suas contas do Google, os resultados de pesquisa já são bastante personalizados.

O Google Now tentou fornecer informações relevantes similares, como placares esportivos e instruções para dirigir, antes que as pessoas digitassem consultas, mas não foi tão popular quanto outros serviços da empresa, como a pesquisa tradicional, o Maps e o navegador Chrome.

O novo feed de pesquisa preditivo receberá uma exposição muito maior porque será transmitido na página inicial do aplicativo móvel de mesmo nome da Google em dispositivos móveis Android e da Apple a partir desta quarta-feira (19).

A empresa estuda levá-lo aos navegadores web móveis, mas não informou quando. Isso significa que o ativo mais valioso da web, o Google.com, poderia algum dia ter a aparência de um feed de notícias personalizado em vez de ser apenas uma caixa branca vazia à espera de ser preenchida com uma pergunta ou palavra-chave. "O comportamento deverá ser o mesmo" de um feed de notícias, disse Thakur.

As mudanças são um passo importante para a Google, que raramente modifica a página de destino de um serviço de pesquisa que gera de bilhões de dólares de lucro por trimestre. Também são um reconhecimento de que o feed de notícias do Facebook é uma das formas mais viciantes de consumir informações digitais em smartphones.

Outras empresas de tecnologia chegaram a conclusões semelhantes. O LinkedIn atualizou sua página inicial e seu aplicativo com mais recursos de rolagem estilo feed, e nesta semana a Amazon.com lançou o Spark, um feed de histórias de produtos para comprar, imagens e ideias.

Ben Gomes, um executivo de busca veterano da Google, disse que o novo feed não terá conteúdo pago no início, mas não descartou que isso ocorra futuramente. Com um feed, o Google poderia dispor de mais tempo do usuário dentro da pesquisa. Essa tem sido uma preocupação da empresa, porque o Facebook e outros aplicativos móveis abocanharam uma fatia maior do tempo que as pessoas passam na internet.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos