iStock

De olho na segurança

Furtaram meu celular. E agora? Saiba o que fazer após ser roubado

Bruna Souza Cruz

Do UOL, em São Paulo

  • Getty Images/iStockphoto

Era manhã de uma quinta-feira comum quando, entre uma freada e outra do ônibus, o fato provavelmente aconteceu. Em questão de segundos, alguém abriu o zíper da mochila e retirou sutilmente o celular do local. A mão leve do ladrão foi tão discreta que nenhuma das quatro pessoas ao redor notaram o feito (se notaram, preferiram ficar quietas).

Enfim, a história acima muito bem podia ser contada pelas inúmeras pessoas que já tiveram algum celular furtado. No entanto, a "sorteada" da vez fui eu. Recentemente, fui furtada dentro de um ônibus a caminho para o trabalho.

Junto à frustração, vieram rapidamente os sentimentos de raiva e desespero. Será que o ladrão vai conseguir ter acesso aos meus dados, minhas senhas, minhas contas bancárias, perfis nas redes sociais? Já imaginei a perda das fotos das férias, meu e-mail sendo invadido e no dinheiro obtido com tanto trabalho e economia usado para pagar algo que eu já não teria mais.

Assim que cheguei no trabalho, corri para o computador. Mas o pior é que não sabia nem por onde começar. Nessas horas a racionalidade parece que some e dá lugar a uma turbulência de pensamentos. Por sorte, meus colegas de trabalho me ajudaram a colocar o pé no chão (super obrigada!). Liguei o computador e fui listando passo a passo o que eu precisava fazer e a ordem de urgência.

1 - Localização do celular

A primeira coisa que tentei foi ligar novamente para o meu número. Chamava, chamava, mas caia na caixa postal. Como vi que o celular ainda estava ligado, acessei o sistema de localização via GPS (no caso, o Find my iPhone) e torci para que estivesse emitindo sinal. Infelizmente, não houve resultado. De qualquer forma, habilitei a opção "módulo perdido" do sistema e pedi que me notificasse caso o aparelho fosse localizado. Veja aqui como localizar o aparelho usando o GPS.

2 – Alterar todas as senhas possíveis

Enquanto aguardava uma luz no fim do túnel, comecei a alterar todas as minhas senhas: e-mails, redes sociais, alguns aplicativos. Pelo menos, isso dificultaria a invasão das minhas contas.

Também lembrei que havia habilitado o backup automático na semana anterior (ufa!). Menos uma dor de cabeça, já que pelo menos os meus contatos e arquivos que estavam no aparelho estavam salvos na nuvem.

3 - Boletim de Ocorrência

Ainda torcendo por um retorno quanto à localização, lembrei em seguida que precisava fazer um boletim de ocorrência sobre o furto. E começou aí mais um capítulo da minha dor de cabeça (literalmente).

Toda vez que algum celular é roubado, furtado ou perdido é preciso informar o IMEI (Identificação Internacional de Equipamento Móvel) durante o B.O. Ele funciona como uma espécie de RG e é só com esse número de identificação é que é possível bloquear o celular para que ele não funcione mais. Para saber qual é o IMEI do seu aparelho, você pode digitar *#06# no telefone. Outra forma é procurar o número na caixa original do celular ou na nota fiscal do produto.

O meu grande problema era que nenhuma dessas opções era possível de ser feita naquele exato momento. Tentei descobrir outras formas para obter o registro do meu celular furtado, mas nada deu certo. Nem ligar para a operadora para ver se eles possuíram o registro.

O resultado? É que não conseguia concluir o B.O. online. Até liguei no 190 para informar a ocorrência, mas fui informada de que, mesmo que fosse registrada, não seria possível bloquear o aparelho sem o IMEI.

Pesquisei mais um pouco e descobri que no caso de iPhones, o IMEI também aparece nas configurações do usuário Apple. Uma esperança apareceu, mas logo foi apagada pela dificuldade de acessar a minha conta.

Autenticação em dois passos é segura, mas pode dificultar algumas coisas

O aparelho estava configurado para autenticar meus dados em duas etapas. Isso é uma camada adicional que permite que a conta do iCloud só seja logada em dispositivos confiáveis. Além de uma senha, o sistema pede uma autorização de acesso, que pode vir via código em uma mensagem. A parte da senha era tranquila, porém, na segunda parte, o sistema enviada uma mensagem para meu celular, que não estava comigo. 

4 - Bloqueio do número telefônico

Respirei fundo pela milésima vez e lembrei-me que precisava bloquear o meu número telefônico. Confesso que demorei um pouco para fazer isso, pois estava com esperança de que alguém atendesse a ligação. Vai que o ladrão havia perdido meu celular e uma boa alma encontrado?! Doce ilusão.

A recomendação de especialistas é bloquear a sua linha o mais rápido possível. Assim, você consegue evitar cobranças indevidas e o uso de serviços da operadora não autorizados por você.

O bom é que essa parte foi super-rápida. Liguei para a operadora, informei meus dados e solicitei o bloqueio da linha por motivo de furto.

5 - Reativação da linha em outro chip

Com um problema a menos para resolver, voltei à missão (quase) impossível de descobrir o IMEI do telefone. Já era meio-dia e nada de boletim de ocorrência feito.

Resolvi ligar no suporte da Apple para ver se existia alguma outra forma para ver o IMEI do aparelho. Sem sucesso. Apesar disso, fui informada que durante o processo de autenticação em duas etapas há uma opção de enviar o código de acesso via SMS. Foi então que eu corri numa loja da operadora, comprei um novo chip e solicitei a reativação da minha linha.

Para o meu azar, o processo demorou mais de 4h para ser concluído. Desliguei e religuei o celular milhares de vezes e nada. Mas tentava me conformar, já que o prazo para o retorno era de até 24h.

Já passava das 17h30 quando a linha voltou a funcionar e comecei a seguir o procedimento indicado pelo suporte da Apple. Consegui, enfim, acessar a minha conta no iCloud, ver as informações do aparelho que estavam registradas por lá e pegar o "RG" do celular furtado. Voltei para o B.O. online e terminei o registro com uma certeza: meu telefone já era mesmo.

E o que fica disso tudo?

Jamais esqueça o código do IMEI do seu celular. Assim que possível, anote o número e guarde em mais de um lugar seguro. Além dele ser fundamental para o bloqueio do aparelho – as operadoras mantêm um banco de dados de dispositivos furtados/roubados --, este número ajuda a saber se um telefone usado é roubado, por exemplo.

Com o número em mãos, basta acessar a base de dados e digitá-lo na página. Se constar, é um grande indício de que o celular usado foi roubado, furtado ou perdido por alguém. Veja como consultar aqui.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos