Primeiro presidente do Facebook diz que rede explora vulnerabilidade humana

Colaboração para o UOL

  • Gizmodo

Sean Parker foi o primeiro presidente do Facebook, quando a rede era um site gerido de um dormitório universitário. Em uma recente entrevista ao site "Axios", ele contou um pouco o que torna a plataforma tão exitosa e com tantos usuários, e que o sucesso deve-se à exploração de uma vulnerabilidade psicológica humana.

Para explicar a razão disso, Parker fala que os fundadores de grandes plataformas sociais têm em mente a seguinte pergunta: "Qual a melhor forma de fazer você consumir o máximo possível do seu tempo e sua atenção?".

VEJA TAMBÉM:

Para manter os usuários na rede social conectados, a plataforma precisa fornecer com alguma frequência algum tipo de dopamina — neurotransmissor responsável pelo sistema de comportamento motivado por recompensa.

Na prática, isso é causado porque alguém curtiu um post ou uma foto do usuário, o que faz os perfis contribuírem com mais conteúdos, que levarão as pessoas a mais curtidas e comentários.

"É um loop de resposta de validação social (…). é o tipo de solução que hackers, como eu, usamos, pois você está explorando uma vulnerabilidade psicológica humana."

Agora dedicado a uma instituição para combater o câncer, Parker se mostra preocupado com a influência e os efeitos da rede social nas pessoas e na sociedade.


Segundo ele, o Facebook muda a relação que temos com a sociedade, interfere na produtividade e, usando palavras dele, "sabe se lá o que isso causa no cérebro das nossas crianças".


Sean Parker no Facebook

O Facebook não foi o primeiro grande projeto relevante que Parker participou. Antes disso, ele participou da fundação do Napster, plataforma de compartilhamento de música digital que posteriormente foi fechada sob a acusação de pirataria.

O envolvimento de Parker com o Facebook começou em 2004, quando ele conheceu Mark Zuckerberg e o apresentou a diversos investidores do Vale do Silício. Por causa de sua influência, tornou-se o primeiro presidente da rede.

Em 2005, Parker foi preso após a polícia ter encontrado cocaína em seu apartamento durante uma batida policial. A pressão de investidores fez com que ele logo deixasse o cargo.

Atualmente, ele atua como investidor --ele foi um dos incentivadores do serviço de streaming de música Spotify-- e filantropo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos