Black Friday 2017

Black Friday: falsas ofertas no Facebook enganam e confundem consumidores

Guilherme Tagiaroli

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Manjunath Kiran/AFP

    Páginas falsas patrocinaram ofertas no Facebook para enganar internauta

    Páginas falsas patrocinaram ofertas no Facebook para enganar internauta

A Black Friday já passou, e a data foi um prato cheio para cibercriminosos aplicarem golpes. No Facebook, como em outras ocasiões, várias páginas distribuíram links maliciosos com publicações patrocinadas. E o pior: várias delas seguiam online até esta segunda (27), mesmo com usuários dizendo nos comentários que eram falsas.

Após a reportagem ter descrito as páginas para o Facebook, todas foram retiradas do ar.

Veja também: 

A abordagem dessas páginas segue um padrão. Geralmente, elas usam a identidade visual de grandes varejistas e com menções diretas ou indiretas às marcas para confundir o usuário. Para chamar a atenção, elas oferecem links para promoções "imperdíveis", porém as páginas são falsas.

Em uma das promoções encontradas pela reportagem, a página "Descontão pra você", que usa a identidade visual do Ponto Frio, patrocinou uma publicação com um link que oferecia um iPhone 6S de 32 GB por R$ 1.299. O aparelho é encontrado em varejistas por cerca de R$ 2.100.

Reprodução
Página falsa no Facebook para Black Friday

Ao clicar no endereço, o usuário é levado para uma página clone do Ponto Frio com uma URL que já está indisponível. Ao tentar concluir a operação de compra, era solicitado um cadastro com informações pessoais e de pagamento.

Golpe de curta duração

"O golpista cria a página e deixa ela sem atualizações. Quando chega o momento oportuno, como a Black Friday, ele posta alguma promoção com preço muito tentador e um link para uma página falsa. Se efetuarem a compra e o modo de pagamento for boleto, não tem como recuperar; caso seja via cartão, ele provavelmente será clonado", explica Fabio Assolini, analista de segurança da Kaspersky, empresa de antivírus.

Esse tipo de golpe, continua Assolini, costuma ser de "tiro curto". Um post patrocinado com um link malicioso é compartilhado e fica no ar rapidamente. "Caso fique muito tempo disponível, alguém vai denunciar para a rede e o golpe não funcionará", afirma.

Questionado sobre as páginas que compartilham links maliciosos, o Facebook enviou o seguinte comunicado: "Os Padrões de Comunidade proíbem o uso do Facebook para facilitar ou organizar atividades que causem danos financeiros a pessoas ou negócios. Contamos com nossa comunidade para denunciar conteúdos, inclusive anúncios, que possam estar violando nossas políticas, e temos equipes dedicadas a revisar as denúncias e remover esses conteúdos."

Reprodução
Oferta falsa patrocinada no Facebook durante Black Friday

Para evitar cair neste tipo de golpe, há alguns cuidados básicos a serem tomados. Em casos de ofertas "irresistíveis" em redes sociais, é importante notar se elas foram publicadas em páginas verificadas dos varejistas - elas têm um selo azul ao lado do nome. Se a página não for da loja, há grande chance de ser golpe. Neste caso, o Facebook recomenda que o usuário denuncie a página, que ela será verificada pela rede.

Ao clicar no link, é importante verificar a barra de endereços para checar se a página é mesmo do varejista. Além disso, é importante notar se o endereço contém "https", um protocolo de segurança que criptografa dados, evitando que cibercriminosos consigam espionar dados sensíveis do comprador.

Modelo de negócio da rede social

As páginas encontradas não contam com muitas curtidas. Quando a reportagem consultou, a "Black Friday - até 70% de desconto" tinha 2.338 likes, a "Descontão pra você", 3.019; "Black-Friday do Pinguim", 462; e "Ofertas Especiais da Luh" com 517. A questão é que elas patrocinaram publicações, o que faz aumentar consideravelmente o alcance desses posts com links falsos.

O problema disso tudo está no fato de o modelo de negócios do Facebook estar baseado justamente na venda de anúncios direcionados. Com mais de 2 bilhões de usuários que compartilham centenas de detalhes com a rede, a empresa permite a hipersegmentação de publicidade.

Não é a primeira vez que este tipo de oferta falsa circula pelo Facebook. No ano passado, antes da Black Friday, havia várias páginas compartilhando links falsos. No início deste ano, a empresa de segurança PSafe detectou várias páginas disseminando ofertas falsas.

Reprodução
Site malicioso em que usuário era prejudicado foi divulgado no Facebook

O Facebook está sob escrutínio nos Estados Unidos, pois acredita-se que a Rússia conseguiu interferir nas últimas eleições presidenciais do país ao impulsionar publicações que causaram desinformação. Uma das "armas" usadas para disseminar as chamadas "fake news" (notícias falsas) foi o impulsionamento pago de publicações.

Sobre os problemas nos EUA, a empresa prometeu aumentar a equipe que revisa anúncios e permitir que os usuários vejam as propagandas de uma página.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos