Por que a irmã de Mark Zuckerberg quer que você desligue o celular?

Gabriel Francisco Ribeiro

Do UOL, em São Paulo

  • João Passos/Divulgação

"Precisamos nos desconectar". A frase não chega a ser uma novidade, mas pense que ela saiu da boca de Randi Zuckerberg –sim, irmã de Mark, o dono do Facebook.

Além de irmã mais velha do criador de uma das redes sociais mais viciantes do mundo, ela foi diretora de marketing da empresa entre 2004 e 2011, até que deixou o cargo para abrir seu próprio negócio, a Zuckerberg Media. Mesmo assim, a carismática executiva de 35 anos esteve em São Paulo no último fim de semana e tratou de condenar nosso vício em smartphones.

"Todos nós amamos nossos dispositivos e nossas tecnologias, mas ninguém muda o mundo conectado ao celular 24 horas por dia", disse.

Você não vai ter uma boa ideia se não se desconectar do seu telefone um pouco

Veja também

E existe uma fórmula mágica capaz de nos fazer desligar os aparelhos e gastar menos tempo no mundo virtual?

Temos que começar aos poucos, programar um horário para não usar os celulares e ir aumentando a partir disso

Ela ressalta que para alguma profissões isso é mais complexo –"sei que será mais difícil"--, mas será que ela já conversou sobre isso com o caçula?

Recentemente, Mark anunciou uma redução no tempo que as pessoas passaram no Facebook, o que abalou o preço de suas ações, mas não chegou a lamentar a queda. Pelo contrário, disse que era um reflexo das várias mudanças no site que buscam garantir bem-estar aos usuários.

João Passos/Divulgação
"Desliguem seus celulares", defende a ex-executiva do Facebook

Randi não crava que as redes sociais são ruins –ou boas. Prefere dizer que o que importa é o uso que cada um faz das plataformas, mas elogiou a mudança na política do Facebook.

Muitas das plataformas começam idealistas, com o desejo de mudar o mundo, e tem muita gente boa usando, como o Black Lives Matter. Por outro, o Estado Islâmico também se propaga por elas

Ela mesma tem apego às suas contas no Facebook, claro, Instagram, Twitter e LinkedIn, que usa para aprender mais sobre tendências de negócios, como bitcoins. "Os usuários também têm que dividir a culpa do uso que fazem", aponta.

As mais de um milhão de pessoas que seguem Randi no Facebook já devem ter percebido que a empresária é boa de papo e conquista por seu jeito descontraído.

"Sei que alguns aqui na plateia queriam o 'verdadeiro' Zuckerberg e ficaram decepcionados comigo, mas…", brincou, logo que subiu ao palco do evento Ebulição Instantânea, que reuniu empreendedores dispostos a pagar valores acima de R$ 1.000 por três dias de palestras organizadas pelo empresário Rafa Prado. 

João Passos/Divulgação
Randi é puro carisma e sonhava em ser cantora

Randi faz simulações de choro, mostra fotos de seus filhos, canta e brinca que o irmão só a chamou para trabalhar no Facebook porque queria alguém que fizesse algo "de graça".

"Sempre quis ser cantora, cantar na Broadway. Cheguei a Harvard e fui rejeitada. Tive que traçar um novo plano de vida e até chorei para os meus pais quando comecei a ir para o marketing digital. Mas foi meu fracasso mais sortudo", relata, ao tentar educar as pessoas para lidar com o fracasso.

Também se gaba de ter criado o Facebook Live. "Bolei o Live em um hackathon e só duas pessoas assistiram: meu pai e minha mãe", conta. "Tentei fazer as redes de televisão colocarem programas ao vivo no Facebook e todas disseram que ninguém iria querer assistir". Até que uma ligação de Katy Perry anunciando uma turnê fez com que o recurso explodisse e chegasse ao sucesso que é hoje.

Num dos momentos que causou maior reação da plateia, cutucou: "Um dia acordei e pensei toda feliz: 'nossa, estamos dando voz a milhões de pessoas no Facebook'. Então, no dia seguinte à eleição de Trump, acordei e pensei novamente: 'nossa, estamos dando voz a milhões de pessoas no Facebook…'"  

João Passos/Divulgação
Randi Zuckerberg esteve no Brasil para evento de empresários

Mas ela também sabe ser séria. Mais que entreter (como fez muito bem), Randi estava lá para inspirar homens e mulheres de negócios. Sua meta atual é incentivar que elas entrem nesse mundo dominado por eles – e faz questão de ressaltar que se uma garota não é inspirada até os nove anos pela tecnologia, nunca mais será.

"Por que me demiti da maior empresa do mundo? É complicado, estava em um relacionamento difícil", diz: 

Cansei de ser a única mulher na sala por dez anos. Era o lado bom de ter o nome Randi: achavam que eu era homem nas reuniões que eu marcava antes de me encontrarem

A executiva conta com um programa semanal de rádio no qual só entrevista mulheres de destaque.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos