Nova viagem do foguete de Elon Musk pode ser primeiro passo para Marte

Márcio Padrão

Do UOL, em São Paulo

  • Thom Baurs/Reuters

    O foguete Falcon Heavy, da SpaceX

    O foguete Falcon Heavy, da SpaceX

Você acompanhou as notícias sobre o recente lançamento do Falcon Heavy, foguete revolucionário da empresa SpaceX, que jogou um carro vermelho e um boneco de astronauta no espaço? Se aquilo te pareceu incrível ou bobo, não importa. Porque aquilo foi só o começo dos planos do bilionário Elon Musk para colonizar Marte. 

E como Musk age rápido, neste sábado (17) veremos mais um passo do seu plano megalomaníaco. Sim, sua empresa SpaceX já vai lançar de novo um foguete menor que o Heavy no espaço --no caso, o Falcon 9-- com um objetivo aparentemente desinteressante: lançamentos de satélites. Acompanhe o raciocínio.

A SpaceX diz que seu foguete Falcon 9 vai enviar ao espaço dois satélites experimentais: Microsat -2a e -2b. Há ainda um terceiro: Paz, um satélite de observação de radar do governo espanhol. O lançamento será neste sábado às 6:17 da manhã (12:17 no horário de Brasília) na Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia (EUA). Mas o que isso tem a ver com Marte?

VEJA TAMBÉM:

Os Microsat -2a e -2b são satélites experimentais da própria SpaceX. Há anos Musk fala de um projeto seu chamado Starlink, com o objetivo de lançar milhares de satélites de baixa órbita que poderão fornecer internet de alta velocidade para pessoas de todo o mundo. Esses dois satélites significam que esse projeto finalmente está saindo do papel.

A FCC, entidade do governo que é a agência reguladora de comunicações dos EUA (como a Anatel no Brasil), concedeu à SpaceX uma licença em novembro para lançar estes satélites como parte de uma missão de teste.

Se a Starlink der certo, isso vai render mais dinheiro para ele, claro. E como colonizar Marte significa gastar muito, mas muito dinheiro, a renda que virá da Starlink nos próximos anos será usada para esse ambicioso fim.

A SpaceX espera que o seu serviço global de internet esteja funcionando até meados dos anos 2020, e assim começará a gerar receita para Musk chegar a Marte. E como ele fará isso? Com foguetes maiores, claro.

Reuters
Elon Musk

"Um foguete do cacete"

Pouca gente deve ter se dado conta de que o lançamento na semana passada do Falcon Heavy levando o boneco-astronauta Starman no carro chique de Elon Musk, um Tesla Roadster, era um pequeno teste para o bilionário ir mais longe.

Como foi noticiado, o Falcon Heavy é o foguete espacial mais poderoso do mundo em atividade. Com 70 metros de altura e capacidade de transportar mais de 66 toneladas, é algo que nenhuma agência governamental espacial de qualquer país, incluindo a Nasa, tenha conseguido criar. Mas a grande sacada dele não são as suas "especificações".

Cada lançamento do Falcon Heavy tem orçamento estimado em US$ 90 milhões (R$ 310,5 milhões). Parece muito, mas graças à recuperação e reutilização planejada dos lançadores, o foguete é três vezes mais barato que sua concorrente mais próxima --a United Launch Alliance, uma joint venture da Boeing com a Lockheed Martin.

Ao conseguir fazer dos foguetes especiais um negócio mais lucrativo, Musk tem como planos à frente um sucessor do Falcon Heavy. Algo tão poderoso que ele o chama de "BFR", sigla para "Big Fucking Rocket", ou um "foguete grande pra cacete".

E se o "BFR" tiver o mesmo sistema de reaproveitamento de partes do Falcon Heavy, ele será usado em transporte de carga ao espaço. Mas para pôr seres humanos ao espaço, ele disse: "Precisamos ser muito maiores do que isso." E o "BFR" é seu foguete que poderá, em tese, levar astronautas à Lua e transportar colonos para Marte.

De acordo com o SpaceX, o "BFR" poderá transportar uma carga útil de 150 toneladas. Isso supera qualquer foguete agora em produção, ultrapassando até mesmo as capacidades prometidas do vindouro SLS --sigla em inglês para Sistema de Lançamento Espacial-- da Nasa.

E se o "BFR" tiver o mesmo sistema de reaproveitamento de partes do Falcon Heavy, suas viagens deverão ser caras, mas viáveis --principalmente se a internet da banda larga do projeto Starlink vingar. Em contraste, o SLS da Nasa custará um US$ 1 bilhão por lançamento, de acordo com o ex-vice-administrador da Nasa, Lori Garver.

Elon Musk fará 47 anos em 2018. Se ele conseguir viabilizar o "BFR" em 10 a 20 anos, provavelmente ainda estará vivo para se vangloriar de ter levado os terráqueos para morar em outros planetas.

E será ainda mais rico que é hoje, porque provavelmente os primeiros ousados que quiserem morar em Marte serão outros bilionários que terão que pagar um bocado de dinheiro para isso. Quem viver, verá.

SpaceX apresenta plano para 'cidade Marte'

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos