Sabe quanto os ataques cibernéticos custaram aos EUA? US$ 109 bilhões

Do UOL, em São Paulo

  • Hajjaj/Ad-Dustour/NYT

Os hacker estrangeiros deixaram um rombo de US$ 57 bilhões a US$ 109 bilhões na economia dos Estados Unidos em 2016. Essa é a estimativa apresentada pelo Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca em relatório apresentado nesta sexta-feira (16).

A briga eterna dos EUA com países como Rússia, China, Irã e Coreia do Norte tem caras consequências, já que são de lá os principais responsáveis pelas atividades cibernéticas maliciosas, segundo o documento feito pela inteligência americana.

A Casa Branca culpou especialmente a Rússia. "Em junho de 2017, o Exército russo lançou o ciberataque mais destrutivo e custoso da história", que "rapidamente se difundiu no mundo", gerando danos de "bilhões de dólares" na Europa, na Ásia e nos Estados Unidos.

Estavam falando do vírus "NotPetya", que começou a se espalhar na Ucrânia, atingindo páginas de bancos, ministérios e jornais, e se disseminou por Itália, EUA, França e Alemanha. Para os EUA, o ataque "foi parte do esforço do Kremlin para desestabilizar a Ucrânia". Moscou, entretanto, negou as acusações.

Mas os inimigos internos também existem. Os concorrentes corporativos, os ativistas que procuram desenvolver uma agenda política e o crime organizado também são responsáveis pelo rombo na economia.

Empresas temem perder US$ 8 trilhões

O custo do crime cibernético para as empresas nos próximos cinco anos poderia chegar a US$ 8 trilhões, afirmou o Fórum Econômico Mundial em um relatório em janeiro. Por isso, empresas como Siemens, Airbus, IBM, Allianz, Daimler e Deutsche Telekom se uniram para tentar combater ataques de hackers em grande escala.

Lembrando que o ransomware WannaCry paralisou no ano passado partes do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido e infectou mais de 300 mil computadores em 150 países

Em carta, o grupo pede que governos e empresas assumam a responsabilidade pela segurança digital nos mais altos níveis. Sugerem que poderiam ser criados ministérios e cargos executivos específicos para garantir proteções mais fortes contra ataques aos sistemas digitais que controlam casas, hospitais, fábricas e quase toda a infraestrutura. A falta de proteção dos sistemas "poderia ter consequências devastadoras" para os valores democráticos e econômicos, dizem.

"Temos que tornar o mundo digital mais seguro e confiável", afirmou o CEO da Siemens, Joe Kaeser, no comunicado:

Chegou a hora de entrar em ação -- não apenas individualmente, mas em conjunto

Relatório do Fórum Econômico Mundial ressalta que hackers com financiamento estatal estão tentando "desencadear uma crise nos sistemas que mantêm o funcionamento das sociedades", com milhares de ataques todos os meses à infraestrutura crítica, desde os sistemas de aviação europeus até as centrais de energia nuclear dos EUA. (Com agências internacionais)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos