Funcionárias da Microsoft fizeram 238 queixas de assédio e discriminação

Do UOL, em São Paulo

  • Mike Segar/Reuters

Mulheres que trabalham em áreas técnicas da Microsoft, nos EUA, registraram 238 queixas internas de discriminação de gênero e assédio sexual entre 2010 e 2016, de acordo com arquivos judiciais que foram divulgados publicamente nesta semana.

Esses dados constam num processo aberto contra a empresa. O processo acusa a Microsoft de negar sistematicamente aumentos de salário ou promoções para mulheres. A Microsoft negou que pratique essa política.

Os advogados responsáveis pelo processo querem transformar o caso numa ação de classe, que pode envolver mais de oito mil mulheres. A Microsoft afirma que as acusações não identificam práticas com impacto o bastante para uma ação de classe e que gasta mais de US$ 55 milhões por ano para promover diversidade e inclusão.

VEJA MAIS

Segundo os documentos liberados pela corte, a Microsoft considerou apenas um dos 118 casos de discriminação como legítimo. A empresa também afirma que a acusação não consegue citar um exemplo concreto de problema sobre aumento ou promoção em que a investigação interna deveria ter encontrado uma violação das regras da companhia, mas não encontrou.

A Microsoft não divulga as informações internas sobre queixas de discriminação. A companhia norte-americana diz que gostaria de manter esses dados em segredo, pois divulgar os resultados das investigações poderia impedir outras funcionárias de denunciar abusos futuros.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

LEIA MAIS

UOL Cursos Online

Todos os cursos