Netflix transmite do espaço, porque quem não quer ver série por lá?

Rodrigo Lara

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Reprodução

Se alguém chegar e falar "vamos ver uma série no espaço?", é bem provável que você imagine se tratar de um convite para assistir a algum episódio de "Star Trek: Discovery" ou algo do tipo.

Depois do que alguns funcionários da Netflix fizeram na última semana, a frase pode ganhar um novo sentido. Isso porque eles provaram que você pode assistir a conteúdos da plataforma em qualquer lugar --até mesmo se estiver bem longe da superfície terrestre.

Durante o Netflix Hack Day, evento que a empresa promove para que seus funcionários troquem ideias com pessoas de outras áreas, dois caras revolveram que, depois de estar presente em 190 países, era hora de "lançar" a Netflix no espaço.

Para isso, o engenheiro de software, Tony Edwards, e o gerente de interface de usuário, Micah Ransdell, contaram com a ajuda de um grupo de estudantes da Universidade de Stanford especializado em estudos espaciais e experimentação com balões meteorológicos e foguetes, entre outros artefatos.

A ideia era colocar um iPhone com um episódio de "Star Trek: Discovery" baixado e em reprodução dentro de uma caixa de isopor e mandar o conjunto para o alto com um balão meteorológico.

VEJA TAMBÉM

Parece simples, certo? Mais ou menos.

A ideia é que o aparato chegasse a 35 km de altitude, ou seja, na segunda camada da atmosfera (contando a partir do solo): a estratosfera.

O problema é que, nela, a temperatura gira em torno de -60ºC, o que fica bem fora da faixa de funcionamento ideal de uma bateria de íon de lítio --estima-se que a -20ºC, elas percam metade de sua eficiência e, a -40ºC, elas rendam apenas 15% do seu potencial.

A solução para evitar que o experimento fosse estragado por um telefone desligado foi colocar aquecedores na caixa de acrílico que transportaria o aparelho.

Feito isso, o recipiente ganhou uma câmera GoPro, para filmar a tela do celular, e foi preso a um balão meteorológico rumo aos céus.

O vídeo da peripécia foi publicado no YouTube. É interessante notar que, a essa altitude, já é possível observar a curvatura da Terra e, também, que o som já não se propaga devido ao ar rarefeito.

Após o voo, o balão retornou ao solo e, ao que parece, todos os seus tripulantes passam bem.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos