De olho na segurança

Em anúncio em jornais, Zuckerberg pede desculpas (de novo) por escândalo

Márcio Padrão

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/Twitter @carolecadwalla

    Facebook pede desculpas por escândalo político em anúncio nos jornais

    Facebook pede desculpas por escândalo político em anúncio nos jornais

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, publicou anúncios de página inteira em jornais britânicos e americanos no domingo (26) para pedir desculpas, mais uma vez, pela "quebra de confiança" de seus usuários no escândalo da Cambridge Analytica.

Em linhas gerais, o texto do anúncio --intitulado "Temos uma responsabilidade de proteger seus dados. Se não conseguimos, não a merecemos"-- resume o que Zuckerberg disse em sua página do Facebook e em entrevistas na semana passada.

VEJA TAMBÉM

A propaganda é mais uma das medidas do Facebook para conter a crise, que fez a empresa perder cerca de US$ 50 bilhões de seu valor no mercado de ações.

"Você pode ter ouvido falar de um aplicativo de teste construído por um pesquisador universitário que vazou dados do Facebook de milhões de pessoas em 2014", disseram os anúncios assinados por Zuckerberg, referindo-se à empresa de consultoria política acusada de manipular dados do Facebook durante a eleição americana de 2016.

"Isso foi uma quebra de confiança, e eu sinto muito por não termos feito mais na época", diz o CEO da rede social. "Agora estamos tomando providências para garantir que isso não aconteça novamente."

Os anúncios apareceram nos jornais do Reino Unido "The Observer", "Sunday Times", "Mail on  Sunday", "Sunday  Mirror", "Sunday Express" e "Sunday  Telegraph", além dos americanos "The New York Times", "Washington Post" e "Wall Street  Journal".

As medidas de contra-ataque do Facebook ditas no anúncio foram as já anunciadas por Zuckerberg: a empresa está "limitando os dados que os aplicativos recebem quando você acessa pelo Facebook" (algo que já é feito nos últimos anos).

Um trecho mostra que a ameaça à privacidade pode estar longe de terminar. O Facebook diz estar "investigando cada aplicativo que tinha acesso a grandes quantidades de dados antes de termos consertado isso. Esperamos que haja outros".

De acordo com o anúncio, o Facebook estará lembrando aos usuários quais apps eles já deram acesso aos dados pessoais e dando às pessoas a oportunidade de "desligar os que você não quer mais. Prometo fazer melhor por você", disse Zuckerberg no fim do texto.

Big data eleitoral que elegeu Trump tenta se firmar no Brasil

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos