Após escândalo, Facebook simplifica controle de privacidade; veja como usar

Márcio Padrão

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

Após o escândalo político envolvendo a consultoria Cambridge Analytica, o Facebook prometeu reagir. Um dos anúncios de Mark Zuckerberg na semana passada envolvia "tornar mais fácil para as pessoas desabilitarem o uso de seus dados por outros aplicativos". Nesta quarta-feira (28), ele começou a cumprir a promessa.

"A maioria dessas atualizações já está em andamento há algum tempo, mas os eventos dos últimos dias ressaltam sua importância", diz o texto assinado por Erin Egan, vice-presidente de privacidade do Facebook, e Ashlie Beringer, diretora jurídica adjunta da empresa --é, não está fácil quando uma mudança na plataforma Facebook requer o aval da advogada deles.

VEJA TAMBÉM:

Vamos às três mudanças do dia. A primeira delas é a alteração no visual das configurações para celulares. Em vez do usuário navegar por muitas telas até conseguir mudar o que deseja, tudo ficará na mesma tela, além de terem eliminado configurações "ultrapassadas", segundo a empresa. 

Divulgação

A segunda mudança é no menu "Atalhos de Privacidade", reformulado com muito mais imagens para ficar mais amigável. Os controles que importam já existiam, mas o anúncio do Facebook querem lembrar às pessoas que eles estão lá: autenticação de dois fatores (aquela com senha + SMS), revisão de postagens antigas, controle de exibição de anúncios e restrição de que amigos veem seus posts.

A terceira alteração é uma área nova, "Acesse Sua Informação", que deixa mais claro o que você pode excluir da sua linha do tempo ou perfil que não queira que esteja mais no Facebook.

Divulgação

Nesta mesma área há o link para fazer o download de toda a sua "vida no Facebook" até então. E é muita coisa. Além de possivelmente te deixar um pouco mais paranoico, isso é útil para transferir seu conteúdo para outras redes sociais ou para fins de backup.

O Facebook prometeu ainda, para as próximas semanas, uma atualização dos termos de serviço da rede social e da política de dados para "detalhar melhor quais dados coletamos e como os usamos". Uma medida compreensível, à medida que mais pessoas estão descrentes com a plataforma e querendo deletá-la de suas vidas.

Big data eleitoral que elegeu Trump tenta se firmar no Brasil

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos