Sem mulher seminua: Playboy deixa o Facebook após escândalo

Márcio Padrão

Do UOL, em São Paulo

  • AP Photo/Playboy, Elayne Lodge

A "Playboy" é a nova empresa a "desnudar" o Facebook após o grande escândalo político envolvendo a rede social. A revista de ensaios sensuais anunciou nesta quarta-feira (28) que deixará a plataforma e desativará suas contas oficiais por lá.

Já no primeiro parágrafo da nota, a publicação fundada por Hugh Hefner, falecido recentemente, deixa um certo desabafo.

VEJA TAMBÉM:

"Por anos, tem sido difícil para a Playboy expressar nossos valores no Facebook devido a seu rígido conteúdo e diretrizes políticas. Nós fomos confrontados com a única alternativa, que é alterar a voz da Playboy a fim de atender às visões do Facebook sobre o que é e não é apropriado em sua plataforma", diz.

Por "alterar a voz da Playboy", a revista talvez quisesse se referir a uma reformulação que fez em seu conteúdo digital em 2014, quando as fotos de mulheres nuas deram lugar a outras mais "comportadas" para voltar a ganhar algum espaço nas políticas do Facebook, que são contra a nudez.

Agora a revista afirma que "as notícias recentes sobre a suposta má gestão dos dados dos usuários pelo Facebook" levaram a "Playboy" a suspender sua atividade no Facebook.

"Há mais de 25 milhões de fãs que se envolvem com a Playboy através de nossas várias páginas no Facebook, e nós não queremos ser cúmplices em expô-los às práticas relatadas. É por isso que anunciamos que estaremos deixando a plataforma do Facebook, desativando as contas da Playboy que a Playboy Enterprises administra diretamente", diz o comunicado. 

Entenda o caso

Em 2013, a consultoria britânica Cambridge Analytica supostamente usava indevidamente dados pessoais coletados do Facebook para criar perfis psicológicos e gerar anúncios personalizados em campanhas políticas. O escândalo ganhou mais força após reportagens recentes dos veículos "The New York Times", "The Guardian" e "Channel 4".

O fato provocou o movimento #DeleteFacebook, conclamando usuários a parar de usar a plataforma. As empresas do magnata Elon Musk, Tesla e SpaceX, saíram de lá, assim como a fundação Mozilla. O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, poderá testemunhar no Congresso dos EUA sobre isso, mas por ora, disse não ao Parlamento britânico.

Big data eleitoral que elegeu Trump tenta se firmar no Brasil

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos