Polêmica! App de paquera gay compartilhou dados de HIV dos usuários

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

O aplicativo de paquera Grindr, voltado para o público gay, permite que os usuários compartilhem informações sobre contaminação ou não pelo vírus HIV e a data do último teste. Esse dado, sensível e particular, serve para informar futuros parceiros em potencial sobre a doença.

Apesar das boas intenções do Grindr, as informações dos usuários foram compartilhadas com duas empresas terceiras contratadas para otimizar o algoritmo de busca do aplicativo de relacionamentos, que registra mais de 3,6 milhões de usuários diários.

VEJA TAMBÉM:

Foi o que revelou Antoine Pultier, pesquisador da ONG Sintef, da Noruega, ao site norte-americano BuzzFeed. O Grindr compartilhou dados dos usuários com as empresas Apptimize e Localytics.

Pultier explicou que as informações sobre HIV foram enviadas junto com outros dados, como geolocalização, número de telefone e email. Juntas, essas informações permitem identificar as pessoas. "O status sobre HIV está ligado as outras informações. Esta é a maior preocupação", disse o pesquisador.

"Isso é incompetência de alguns desenvolvedores que enviaram tudo, incluindo os dados sobre HIV", afirmou Pultier.

Divulgação
O Grindr é o principal aplicativo de paquera voltado para a comunidade gay.

Grindr: "Os dados nunca foram vendidos para anunciantes"

O diretor de tecnologia do Grindr, Scott Chen, publicou uma mensagem no blog do aplicativo logo após a reportagem do BuzzFeed ser divulgada. Chen defende a prática e diz que compartilhar dados com as empresas segue padrões da indústria para "testar e validar" o funcionamento do app.

Chen afirma que o Grindr "nunca vendeu informações pessoais identificáveis dos usuários - especialmente informações sobre o status do HIV e a data do último teste - a terceiros ou anunciantes".

O diretor diz que os testes feitos pela Apptimize e pela Localytics contam com "termos contratuais estritos que garantem os maiores níveis de confidencialidade, segurança de dados e privacidade dos usuários" e os dados compartilhados com estas empresas são criptografados.

E, por fim, o executivo falou sobre a responsabilidade dos usuários:

"É importante lembrar que o Grindr é um fórum público. Nós damos aos usuários a opção de publicar informações pessoais, incluindo o status do HIV e a data do último teste, e deixamos claro nas nossas políticas de privacidade que, se a decisão for incluir essa informação, ela se tornará pública".

Os usuários do Grindr não gostaram da resposta e da postura do executivo.

"Vocês deveriam fechar. Ninguem liga para seus esforços ou padrões da indústria. Vocês traíram a comunidade LGBT", disse um usuário comentando a explicação no blog do aplicativo.

Com a repercussão negativa, o Grindr decidiu encerrar o compartilhamento de informações sobre HIV com as duas empresas.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

LEIA MAIS

UOL Cursos Online

Todos os cursos