Como assim? App da Uber vai "prever crimes" e bloquear viagens de risco

Gabriel Francisco Ribeiro

Do UOL, em São Paulo

  • Chris Ratcliffe/Bloomberg

    Uber quer "prever crimes" antes que eles aconteçam

    Uber quer "prever crimes" antes que eles aconteçam

O aplicativo da Uber pode começar a "prever" crimes antes que eles sejam cometidos. Sim, você não entendeu errado: a empresa vai passar a implantar técnicas de aprendizado de máquina e inteligência artificial para "antecipar e reduzir a probabilidade de incidentes de segurança".

A tecnologia, que parece ter saído do filme Minority Report, vai contar com um algoritmo para identificar possíveis viagens de risco e bloqueá-las antes que o motorista pegue o passageiro. Segundo a empresa, a ferramenta foi desenvolvida por uma equipe de cientistas de dados, engenheiros e especialistas.

Veja também: 

Os algoritmos envolvidos na análise da viagem aprendem de forma automatizada a partir dos dados envolvidos em um pedido de corrida. As viagens que têm potencial de serem arriscadas são bloqueadas a não ser que o usuário forneça detalhes adicionais de identificação na plataforma.

Durante qualquer viagem com a Uber, são coletados diversos dados que são utilizados para essa análise do algoritmo. Até mesmo comentários feitos no aplicativo, seja por motoristas ou usuários, são usados nessa análise. A tecnologia vai utlizar, então, viagens anteriores para ter uma compreensão mais abrangente do cenário de segurança.

A Uber explicou ao UOL Tecnologia que vários fatores serão levados em conta, mas os mais importantes são horário, localização, histórico do usuário e forma de pagamento. O algoritmo ainda também identifica uma repetição de padrões nas corridas que podem acontecer em casos de assaltos.

Um exemplo é um usuário com apenas uma viagem no histórico pedir um carro em uma área perigosa, às duas da manhã, com pagamento em dinheiro. Caso a viagem seja bloqueada, o usuário pode ter que fornecer mais informações (como outras formas de pagamento ou comprovantes de pagamento) e o app fará uma segunda checagem do usuário, como conferência de CPF.

Ao UOL Tecnologia, a Uber disse que não fará bloqueio de áreas e não quer que a tecnologia afete periferias por serem "áreas muito importantes para a Uber", mas que possíveis alterações podem acontecer se um comportamento padrão for identificado em algum local. Usuários novos também podem ser prejudicados por não terem histórico de corridas – a dica, então, seria pedir carros em outros horários e lugares.

Ajudar a polícia a resolver crimes

Presente na Feira Internacional de Segurança Pública e Corporativa (LAAD) que ocorre em São Paulo, a Uber também tem dado exemplos de como pode auxiliar autoridades a solucionar crimes locais. Um citado é o caso de 2017, em que a empresa identificou dez motoristas que estavam próximos à Ponte de Westminster quando um terrorista atropelou um grupo de pessoas.

Os motoristas da Uber viraram testemunhas-chave no caso para encontrar o criminosos. Soluções como essa podem vir ao Brasil para auxiliar a resolução de crimes que ocorrem nas ruas.

Tecnologias empregadas na solução de crimes têm se tornado uma tendência. No Estados Unidos, a polícia já expediu mandados de busca para o Google para obter dados de celulares de usuários que estavam no determinado raio onde um crime foi cometido. Policiais também já solicitaram à Amazon que dados de voz coletados pela Alexa fossem repassados em uma investigação.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos