De olho na segurança

Uber está bem perto de se livrar de multa por vazamento de dados

Do UOL*, em São Paulo

  • Getty Images

Lembra que no final do ano passado a Uber assumiu que milhões de pessoas em todo o mundo tiveram seus dados expostos em um ciberataque? Parece que a empresa está perto de se livrar de uma multa pesada.

A Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos decidiu recentemente não cobrar nenhum valor da empresa em decorrência da violação de dados de cerca de 57 milhões de usuários, envolvendo motoristas e passageiros.

Veja também: 

Como punição, a FTD (sigla para a comissão norte-americana) determinou que a Uber precisa informar qualquer tipo de incidente parecido envolvendo os dados dos consumidores e enviar todos os relatórios de auditorias feitas em seu programa de privacidade no lugar de apenas relatórios iniciais.

Além disso, a Comissão exige que a Uber mantenha registros dos pagamentos feitos as pessoas que descubram falhas ligadas a segurança dos dados da empresa. A prática de pagar para quem encontra erros no sistema é comum algo comum feito pela empresa. Mas agora ela precisará ter tudo isso documentado.

Só assim, se a Uber descumprir o acordo, a empresa poderá ser multada e sofrer outras penalizações.

O acordo entre a FTD e a Uber é uma expansão de um outro acordo formalizado em 2014 também por práticas ligadas aos dados armazenados pela empresa.

"As disposições reforçadas do acordo expandido são projetadas para garantir que a Uber não se envolva em conduta imprópria semelhante no futuro", afirmou Maureen Ohlhausen, presidente da FTC.

O documento com a determinação da Comissão norte-americana ficará disponível publicamente para comentários até meados de maio. Depois disso, a Comissão poderá torná-lo oficial e formalizar as novas regras para a Uber.

Relembre o caso

Em outubro de 2016, hackers roubaram dados de 57 milhões de pessoas, envolvendo motoristas e passageiros.

Apenas em 2017, quase um ano depois do incidente, foi que a Uber divulgou o caso.

Entre as informações roubadas estavam nomes, endereços de e-mail e números de telefone dos usuários.

Para conter a ação dos criminosos, a Uber informou que pagou US$ 100 mil para os envolvidos para que eles apagassem o conteúdo roubado. Além disso, objetivo também foi manter o ataque em segredo.

No Brasil, o vazamento de informações afetou 196 mil pessoas. Em fevereiro deste ano, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios pediu explicações à Uber sobre os dados de usuários brasileiros.

*Com informações da CNN e Reuters.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos