Esperança: como a inteligência artificial pode diagnosticar o Alzheimer

Bruno Romani

Do UOL Tecnologia, em São Paulo

  • iStock

    A inteligência artificial está sendo usada para diagnosticar o Alzheimer

    A inteligência artificial está sendo usada para diagnosticar o Alzheimer

O diagnóstico do Alzheimer, doença devastadora para o cérebro, não é fácil, mas acaba de ganhar um aliado importante: a inteligência artificial. Algumas pesquisas na área indicam que o cérebro eletrônico pode se tornar fundamental para ajudar na preservação do cérebro humano - quanto mais cedo o diagnóstico do Alzheimer, mais é possível minimizar os seus danos no cérebro.

Num dos estudos, conduzido pela Universidade de Bari (Itália), a inteligência artificial foi treinada para identificar padrões em imagens de ressonância magnética que pudesse indicar alterações cerebrais ligadas à doença. O aprendizado de máquina, uma das principais técnicas de inteligência artificial, pressupõe que a máquina seja alimentada com um banco de dados para que aprenda sozinha a detectar padrões. 

VEJA TAMBÉM

Foi isso que os pesquisadores  Nicola Amoroso e Marianna La Rocca fizeram: a máquina recebeu 67 exames de ressonância dentro dos quais 38 eram de pessoas com a doença. Sem ter sido informado pelos cientistas, o algoritmo percebeu que a melhor maneira de detectar o Alzheimer era nas regiões entre 2.250 e 3.200 milímetros cúbicos. Detalhe: esse é o tamanho estruturas anatômicas como amígdala e hipocampo, que são ligadas à doença,   

Depois, esse algoritmo foi colocado para testar exames de 148 pacientes e os resultados foram animadores. Em 86% dos casos, a inteligência artificial detectou a diferença entre um cérebro saudável e um com Alzheimer.

O grau de sofisticação da máquina impressiona porque 48 dos 148 pacientes tinham comprometimento cognitivo leve (CCL). Ou seja, eles não eram saudáveis e nem tinham Alzheimer. Mesmo assim, o algoritmo detectou a diferença entre um cérebro saudável e um com CCL em 84% dos casos - essas pessoas acabaram desenvolvendo Alzheimer entre dois e nove anos depois. 

Assim, a máquina foi capaz também de detectar diferenças no cérebro quase uma década antes do Alzheimer aparecer. O estudo está disponível na Universidade Cornell

Sensores de movimento

No Massachusetts Institute of Technology (MIT), a inteligência artificial foi utilizada em conjunto com sensores de movimentos. O sensor é acoplado na parede do quarto e usa sinais de rádio para detectar movimentos, ritmo de caminhada e padrões de respiração e de sono. Essas informações são posteriormente analisadas por algoritmos, que apontam padrões associados à doença. 

O equipamento havia sido criado apenas para detectar quedas de pacientes em asilos e casas de repouso, mas a professora de engenharia elétrica e ciência de computação, Dina Katabi, percebeu que esses dados podiam ser analisados por algoritmos poderosos, capazes de abstrair padrões e comportamentos que passam despercebidos pela maioria dos olhos humanos.

Os algoritmos conseguem detectar depressão, agitação e mudanças no sono - sintomas relacionados ao Alzheimer. "Quanto mais você ensina, mais a máquina aprende. Na próxima vez que ela vir um padrão, mesmo que seja muito complexo para um humano abstrair, a máquina será capaz de perceber esse padrão. 

O equipamento, que pode ser instalado no quarto do paciente, também pode ser usado para ajustar medicamentos em pessoas que já tenham a doença, seja para a prevenção de estados agitados ou para combater a depressão. E, claro, quanto mais gente for analisada pela inteligência artificial, melhor ela ficará em suas tarefas. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos