Direito a ser esquecida: STJ manda Google retirar buscas sobre promotora

Márcio Padrão e Rodrigo Trindade

Do UOL, em São Paulo

  • Getty Images

Todo mundo comete erros, mas alguns deles ficam gravados na internet por muito tempo. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu a uma promotora de Justiça o direito de remover a acusação de fraudar um concurso para o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) dos resultados do Google, Yahoo! e  Bing (Microsoft). Ela foi inocentada em 2007 pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 

A Terceira Turma do STJ deu a vitória por três votos a dois ao lado da promotora. O ministro Paulo de Tarso Sanseverino, que desempatou a votação no último voto, concordou com o posicionamento do ministro Marco Aurélio Bellizze, também apoiado pelo ministro Moura Ribeiro, de que o pedido da promotora de ter seu nome desassociado do caso de fraude tem base legal. 

O chamado "direito ao esquecimento", ou seja, conseguir judicialmente que todas as informações sobre você sejam removidas da internet, deu mais um passo na Justiça brasileira. 

VEJA TAMBÉM:

Com essa decisão abre-se uma nova jurisprudência - na qual ações futuras são decididas com base no resultado de julgamentos anteriores de casos parecidos. Agora, é possível que qualquer pessoa possa pedir para empresas de internet tirarem de seus buscadores partes ruins de seu passado online, e deixar só o que é bom para elas. 

Imagine isso aplicado a políticos corruptos e empresários com processos nas costas, por exemplo. Uma prática comum na internet para saber a idoneidade de alguém é fazer buscas sobre ela no Google. Se o "direito de esquecimento" for aplicado sem freios, isso não será mais possível.

A maioria do tribunal entendeu que é possível a implantação de filtro por palavra-chave com o objetivo de evitar a associação automática de um nome a determinadas notícias.

Em seu voto, o ministro Bellizze apontou que o direito ao esquecimento "não trata de efetivamente apagar o passado, mas de permitir que a pessoa envolvida siga sua vida com razoável anonimato, não sendo o fato desabonador corriqueiramente rememorado e perenizado por sistemas automatizados de busca". 

Discordaram do posicionamento a relatora ministra Nancy Andrighi e Ricardo Villas Bôas Cueva, que entenderam que Google, Yahoo! e Microsoft podem manter os resultados na ferramenta de buscas. 

O caso corre em segredo de justiça e agora o relator Bellizze será responsável pelo acórdão e deverá detalhar o que foi decidido pelos ministros no caso - até o momento não houve indicação de como as remoções deverão ser feitas. No entanto, o portal "Jota" já adiantou que, caso descumpram a decisão, os provedores pagarão multa diária de R$ 1 mil.

Entenda

A primeira decisão do caso veio do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) em 2013, que condenou Google a instalar filtros de conteúdo que desvinculassem o nome da promotora das notícias sobre a suposta fraude, sob pena de multa diária de R$ 3 mil.

Mas o Google recorreu, e o caso virou recurso especial no STJ desde novembro do ano passado. Desde abril, passou a correr em segredo de justiça. No meio do julgamento, o Yahoo se tornou parte da ação, e a Microsoft entrou como "parte interessada".

O direito ao esquecimento é uma batalha que vem sendo travada há alguns anos dentro e fora do Brasil -- casos semelhantes a este ganharam bastante repercussão.

Alguns exemplos foram o da apresentadora Xuxa querendo ser desassociada ao filme erótico "Amor Estranho Amor", o da retirada do vídeo da apresentadora Daniela Cicarelli em momento íntimo com o namorado na praia e o do jovem Nissim Ourfali tentando tirar do YouTube o vídeo comemorativo de seu Bar Mitzvah, que viralizou há alguns anos. As ações tiveram resultados distintos: Xuxa perdeu na justiça, e Cicarelli e Ourfali ganharam.

A grande diferença entre o caso atual e esses acima é que na situação da promotora, não houve menção específica sobre a necessidade de apontar os endereços eletrônicos (URLs) com o conteúdo que deverá ser escondido dos resultados de busca --algo que ocorria no passado.

Segundo Carlos Affonso, diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS-Rio) e blogueiro do UOL Tecnologia, a decisão preocupa pelo precedente gerado, especialmente se tratando de uma promotora, que exerce um cargo público.

"Não apenas essa medida representa forte restrição à liberdade de expressão como tem grandes chances de encontrar óbices técnicos na sua implementação. Deve ser bloqueada qualquer notícia que contenha a palavra 'fraude' ou "concurso' quando a autora pesquisar por seu nome?", comentou Affonso.

Ele ainda reitera o uso político desse recurso. "Adicionalmente preocupa o uso que políticos e demais autoridades podem fazer do precedente. Em período pré-eleitoral, é comum os candidatos buscarem apagar referências desabonadoras, ainda que verídicas, da rede. Essa decisão pode chancelar medidas nessa direção", disse.

Tecnologia usa "o pensamento" para controlar os nossos objetos

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos