"Direito ao esquecimento" só vale para busca de nome, diz STJ

Rodrigo Trindade

Do UOL, em São Paulo

  • Getty Images

    Buscadores terão que desassociar nome de promotora em buscas diretas

    Buscadores terão que desassociar nome de promotora em buscas diretas

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) publicou nesta terça-feira (5) a ementa do processo que concedeu parcialmente o chamado "direito ao esquecimento" nos buscadores de internet a uma promotora de Justiça do Rio de Janeiro. Quando o nome dela era procurado no Google (ou outras ferramentas de busca), apareciam nos primeiros resultados notícias que ligavam ela a uma suposta fraude em um concurso por vaga no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

Ao considerar que tais dados pessoais tiveram sua relevância "superada pelo decurso do tempo", já que a promotora foi inocentada em 2007 pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o ministro Marco Aurélio Bellizze, autor do voto vencedor, determinou que os buscadores desassociem pesquisas apenas pelo nome da promotora às notícias negativas referentes ao concurso da década passada.

VEJA TAMBÉM

Assim, se alguém fizer buscas apenas pelo nome dela no Google, as ferramentas não retornarão as notícias sobre o caso de fraude. Porém, se alguém fizer uma busca pelo nome dela mais o caso de fraude, os resultados continuarão aparecendo

"Note-se que não se trata de impugnar o resultado em pesquisas que pretendessem resgatar notícias vinculadas a fraudes em concurso nem os resultados decorrentes da busca que associasse o nome da recorrida e outro critério que aludisse a concursos públicos ou fraudes. A insurgência é restrita ao apontamento de seu nome, como critério exclusivo, desvinculado de qualquer outro termo, e a exibição de fato desabonador divulgado há mais de dez anos entre as notícias mais relevantes", escreveu Bellizze.

O magistrado votou de uma forma em que as notícias da acusação de fraude não fossem excluídas de forma completa das buscas. De acordo com o voto dele, os interessados em encontrar "informações relativas a fraudes em concurso público não terão seu direito de acesso impedido". 

"O que se evitará é, tão somente, que uma busca direcionada a informações sobre a sua pessoa, por meio da inclusão de seu nome como critério exclusivo de busca, tenha por resultado a indicação do fato desabonador noticiado há uma década, impedindo a superação daquele momento", reforçou o juiz.

O texto também explica que a multa diária de R$ 3 mil ao Google determinada pelo TJ-RJ em 2013, quando a promotora venceu a primeira decisão do caso, foi considerada excessiva. O voto vencedor determinou que a multa fosse diminuída para R$ 1 mil. Procurado, o Google disse "não comentar casos específicos".

Além de Bellizze, os ministros Moura Ribeiro e Paulo de Tarso Sanseverino votaram em favor à promotora, enquanto a ministra relatora Nancy Andrighi, junto ao ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, se posicionaram contra o esquecimento. A votação foi concluída na segunda semana de maio, com o voto de Sanseverino, determinando o 3 a 2 a favor da promotora.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos