Fotos menores e melhores? Novo padrão JPEG quer fazer esse milagre

Rodrigo Lara

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • istockphoto

    Fotos mais leves não gastam dados do seu plano

    Fotos mais leves não gastam dados do seu plano

Em breve seu celular poderá armazenar o dobro de fotos sem que você precise aumentar a capacidade da memória. Não, não isso não é um anúncio de produto milagroso, mas que dificilmente tem a ver com a realidade. A boa notícia vem do Joint Photographic Experts Group (JPEG), o grupo que, em setembro de 1992, lançou o padrão de compressão de imagem jpeg.

Agora, a ideia é criar um sucessor para esse formato popular. A promessa é boa: chamado JPEG XL, o novo formato geraria arquivos 60% menores do que os atuais.

Caso a ideia vingue, isso traria um impacto considerável para quem usa o celular para tirar fotos, uma vez que seria possível armazenar mais do que o dobro de fotos em um mesmo espaço de memória.

A vantagem também seria sentida por serviços de armazenamento, que tendem a ficar mais baratos, e também impactaria no uso dos planos de dados, já que enviar fotos ou navegar por sites consumiria uma porção menor da franquia.

O JPEG XL continuaria sendo um formato de compressão com perda de qualidade, igual ao que ocorre com o JPEG atual, porém ele teria novas funcionalidades, como a possibilidade de carregar informações de transparência e também cores em padrão HDR.

Briga de formatos

Mesmo com essas qualidades, a adoção do JPEG XL não é uma aposta certa. Há outros formatos que concorrem para se tornar um padrão no futuro, e eles são promovidos por gente de peso.

De um lado há o AVIF, um formato defendido pela Alliance for Open Media, um grupo que reúne empresas como Google, Apple, Microsoft, Amazon, Intel, Adobe, Microsoft, Mozilla, Netflix entre outros. Entre outros benefícios, o AVIF permitiria o uso de cores HDR e gama ampla de cores.

O MIAF, por sua vez, deriva de um formato de compressão chamado HEIF, que já é suportado por smartphones, computadores e tablets da Apple.

Ambos se baseiam em formatos de compressão de vídeo que, por sua vez, foram criados de maneira a impactar o mínimo possível no consumo de baterias de notebooks e celulares. Ou seja: são formatos adequados ao maior uso de dispositivos móveis.

Nada impede, porém, que alguns parâmetros tanto de AVIF quanto de MIAF acabem sendo utilizados na criação do JPEG XL, uma vez que boa parte das empresas envolvidas nesses dois formatos também fazem parte do Joint Photographic Experts Group.

Por ora, não há uma data definida para que um novo formato passe a ser adotado. Considerando o JPEG XL, o comitê aceitará sugestões de parâmetros para o novo formato até setembro de 2018, sendo que em outubro de 2019 as definições para o novo padrão deverão ser publicadas.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos