De olho na segurança

Seu celular te escuta? Após um ano de testes, pesquisadores têm a resposta

Rodrigo Lara

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Getty Images

    Já teve a sensação de que um anúncio adivinhou o que você estava pensando?

    Já teve a sensação de que um anúncio adivinhou o que você estava pensando?

O seu celular te escuta o tempo todo e usa isso para direcionar anúncios e fazer empresas ficarem mais ricas. Paranoia ou verdade inconveniente, a teoria de que nossos inofensivos smartphones são, na verdade, microfones abertos capazes de destruir nossa privacidade não é algo novo.

Faltava, no entanto, algo que provasse - ou desmentisse - a tese. Não falta mais: pesquisadores da Northeastern University, universidade de Boston (EUA), resolveram estudar o tema por um ano.

Elleen Pan, Jingjing Ren, Martina Lindorfer, Christo Wilson e David Choffnes, pesquisadores de ciências da computação, fizeram um experimento com mais de 17 mil apps populares para celulares Android, incluindo aplicativos de propriedade do Facebook ou, ainda, que mandavam informações para a rede social.

A meta era averiguar se algum deles utilizava o microfone sem avisar os usuários. A conclusão é de que não.

Não há qualquer evidência de que esses apps usavam o microfone para gravar ou enviar áudio sem a atuação do usuário.

O teste

Para checar essa questão, o grupo de pesquisadores utilizou dez celulares com um programa que automatizava interações humanas, de maneira a fazer com que falas relatando preferências fossem captadas pelos microfones desses aparelhos.

Ainda que o estudo não tenha encontrado quaisquer evidências de que gravações foram feitas - o que os próprios pesquisadores insistem em ressaltar que não é uma resposta definitiva sobre o assunto -, houve um fato preocupante envolvendo um app chamado GoPuff.

Esse aplicativo, feito para a entrega de comida, utiliza os serviços de uma empresa analista de dados chamada Appsee. O problema é que a ideia de usar essa consultoria envolvia gravar vídeos e fazer capturas de tela sem o consentimento do usuário - e, obviamente, sem qualquer tipo de aviso. Essas capturas eram enviadas para a Appsee.

Não é preciso dizer que esse tipo de captura de informação poderia incluir dados pessoais sensíveis, como números de cartão de crédito, endereço, entre outros.

Ainda que tenha sido um caso isolado, a situação gerou um mal estar entre as empresas, com a GoPuff decidindo não utilizar mais os serviços da Apsee, a Apsee dizendo que seu programa foi utilizado de forma errada e o Google se comprometendo a investigar o caso. 

Getty Images

Você é o produto: cada passo que você dá na web gera rastros e essas informações são usadas para te vigiar e influenciar o seu comportamento

Entenda

Mais do que isso, porém, o caso acaba abrindo um precedente para outra questão: ainda que não haja qualquer evidência de que o microfone é usado sem a permissão dos usuários, é possível dizer o mesmo sobre câmeras? Ou ainda, sobre o conteúdo visualizado em si?

Não é possível ter certeza sobre essa questão - ao menos não enquanto os fabricantes de celulares e desenvolvedores de sistemas operacionais não deixarem claro quando possíveis gravações estão sendo feitas -, mas certamente ela será discutida em breve.

Isso porque, no próximo mês, a cidade de Barcelona, na Espanha, receberá um simpósio para a discussão sobre formas de aumentar a privacidade quando o tema é tecnologia - os pesquisadores de Boston apresentarão o resultado desse estudo por lá.

A boa notícia é que, ao menos por enquanto, você pode falar tranquilamente perto do seu telefone. Ou, ao menos, é o que parece.

Sério, coloque fita adesiva na câmera

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos