Bancos e lojas pagam até R$ 4,70 por acesso a dados do seu rosto

Helton Simões Gomes
Do UOL, em São Paulo
iStock
Durante reconhecimento facial, pontos do rosto são esquadrinhados para criar um cadastro biométrico facial.

"Posso tirar uma foto sua?" Quantas vezes você já não ouviu isso ao parcelar uma compra, alugar um carro ou abrir uma conta em banco? Quando fazem isso, as empresas não querem um registro dos seus lindos olhos, mas ter a garantia de que você não é um golpista. Para evitar fraudes, bancos e varejistas aderiram à checagem de identidade via reconhecimento facial e pagam até R$ 4,70 por consulta aos dados do rosto de brasileiros.

Para isso, essas empresas cruzam as informações dessas fotos (ou de selfies nos casos de bancos digitais) com as de grandes bancos de dados faciais privados - um segmento que começa a crescer no Brasil. Entre as empresas que fazem esse tipo de checagem estão a Acesso Digital, a CredDefense e a Certibio. E a lista de clientes é ainda maior: lojas de departamento e de eletroeletrônicos (de Marisa a Ponto Frio e Casas Bahia) instituições bancárias (CBSS e Agiplan); fintechs (Neon, Digio e Nuban) certificadoras digitais (Certising) e planos de saúde (Unimed)

VEJA TAMBÉM

A Acesso Digital é a que funciona há mais tempo. Há quatro anos, a empresa, que antes atuava com a digitalização de documentos, entrou no ramo de reconhecimento facial trabalhando para redes de varejo. A partir daí, a companhia também começou a construir sua própria base de dados, já que armazena os dados biométricos enviados pelos clientes.

Diego Martins, presidente-executivo da Acesso Digital, diz que isso é possível porque os contratos de compra parcelada no cartão de crédito possuem cláusulas que permitem à loja compartilhar os dados do cliente com terceiros - desde que a finalidade seja a avaliação do histórico financeiro do consumidor. "A partir disso é gerado um código biométrico atrelado ao CPF da pessoa."

Segundo a Acesso Digital, as consultas feitas pelas primeiras redes de varejo apenas resultavam em uma nova inclusão no cadastro, já que não haviam dados biométricos com o que fazer a comparação. Assim, nasceu o banco de dados da empresa. 

O preço do seu rosto

As empresas desse ramo não vendem as fotos de seu banco de dados aos seus clientes. Elas cobram pelas consultas

A Acesso Digital não revela quantos rostos possui em seus arquivos. Martins, porém, dá uma dimensão de sua extensão. Ele diz que a companhia atende 90% das varejistas, 90% das fintechs, 30% das empresas de telecomunicação e 25% dos bancos. Cada consulta a suas bases custa de R$ 1 a R$ 3 por rosto.

O valor sobe conforme o tamanho da empresa consultora, pois, segundo Martins, isso implica em maior integração entre os sistemas internos da companhia com os de reconhecimento facial.

Já a Certibio começou a atuar no começo deste ano, fazendo checagens de rostos a partir dos clientes da sua empresa-mãe, a Certisign, que emite 150 mil novos certificados digitais por mês. E aplica uma política de preços diferente. Cobra entre R$ 0,10 e R$ 4,70, a depender do volume das consultas. Quem faz mais checagens paga menos.

O banco de dados utilizado pela Certibio tem 70 milhões de cadastros. Isso porque ela usa as informações armazenadas pelo Serviço de Processamento de Dados (Serpro), empresa pública responsável por alguns serviços de tecnologia da administração federal. Entre eles está o processamento da declaração do Imposto de Renda e a autenticação facial - basicamente, ela confirma se um rosto pertence a uma pessoa ou não.

A base do Serpro possui 70 milhões de registros biométricos e biográficos únicos, fornecidos pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) partir das informações das carteiras de motoristas.

O potencial desse mercado anima as empresas. Igor Rocha, diretor da Certibio, esfrega as mãos ao listar as transações em que o reconhecimento facial pode ser usado no Brasil por ano: 4,5 milhões de novas contas bancárias abertas, 170 milhões de consultas a CPF para disponibilizar crédito e 23 milhões de operadores para validar celulares pré-pagos. "O mercado ainda é muito maior do que outros competidores conseguiram conquistar", diz.

Tecnologia

Os sistemas da Acesso Digital e da Certibio não fazem comparação direta entre fotos - mas sim das informações presentes nelas. Um algoritmo analisa a imagem e identifica pontos únicos no rosto - são detalhes como distância entre nariz e olhos, marcas e cicatrizes, contorno da face, formato da extremidade do rosto etc. Na maioria dos casos, recursos de inteligência artificial entram em ação para simular o rosto em diversas poses.

Essas informações são transformadas em um arquivo que descreve a imagem. A partir daí, é esse "número de RG facial" que é comparado com as descrições das imagens presentes em um banco de dados.

O resultado apresentado é um percentual de semelhança. Rocha explica que, acima de 93% de similaridade, pode-se dizer que se trata da pessoa; abaixo de 31%, não se trata dela.

Privacidade

Claro, as empresas dizem se preocupar com a proteção dos dados de seus clientes. Martins diz que a Acesso Digital criou uma área de privacidade voltada a analisar se novas funções ou novos modelos de negócio colocam em risco as informações das pessoas. Também busca pedir o consentimento do usuário para usar os dados dele.

Já Rocha diz que "a orientação é que o cliente seja esclarecido por que ele tem os dados coletados."

Negócio ainda maior 

Para ambas, o reconhecimento facial é apenas uma escala no caminho para se tornarem empresas de identidade digital, que reúne diversas informações sobre a pessoa.

Uma das inspirações da Acesso Digital é a Estônia, um dos países mais conectados do mundo. Lá, os cidadãos podem comprar pela internet e até votar em eleições apenas usando uma identidade digital.

Para chegar lá, a companhia criou uma nova divisão de negócio voltada às áreas de recursos humanos de grandes empresas para agilizar contratações. Por meio de um app, o profissional envia os documentos necessários para sua contratação. Esses documentos passam a constituir sua identidade digital.

O plano da Certibio é também se consolidar nesse mercado. "A expectativa é, ao longo de alguns anos, fazer o negócio de biometria ser relevante para a Certisign. Queremos que o mercado nos veja não como empresa de certificado digital, mas de identidade digital", diz Rocha.