Google

O que os internautas mais buscam no Google sobre candidatos a presidente?

Márcio Padrão

Do UOL, em São Paulo

Você já reparou que quando você digita uma palavra no campo de buscas do Google a ferramenta costuma sugerir frases? Não são palavras aleatórias. O Google diz muito do que uma nação pensa, porque ranqueia aquilo que é mais procurado pelos internautas de cada país.

Por isso, o UOL Tecnologia selecionou as buscas mais frequentes do brasileiro quando o assunto é candidatos à Presidência da República (veja no álbum acima). Para isso, digitamos o nome de nove candidatos --segundo os critérios usados para convite a debates: aqueles cujos partidos tenham pelo menos cinco cadeiras no Congresso Nacional e/ou são melhor colocados nas pesquisas.

Foi um experimento não científico e puramente movido a curiosidade, mas que nos revela comportamentos do eleitor que se prepara para votar no próximo dia 7. A busca do Google é bem flutuante e as previsões se baseiam na popularidade e atualidade dos termos. Para evitar sugestões baseadas no meu histórico de atividade, fiz o experimento deslogado e usando a janela anônima do Chrome.

VEJA TAMBÉM:

No caso dos cinco primeiros colocados nas pesquisas --Jair Bolsonaro (PSL), Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB)-- fomos além, digitando apenas o nome/sobrenome pelo qual é conhecido (como "Bolsonaro", "Ciro", etc) e associamos a advérbios que instigam perguntas, como "o que", "como" e "por que".

Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Bolsonaro: família, vida militar e críticas

Para o líder das pesquisas, chama a atenção um padrão: buscas relacionadas à família do candidato. Seu nome é associado a termos como "Michelle Bolsonaro", esposa dele; "filhos", que também são políticos; e "por que Bolsonaro se separou".

Outros temas ligados a ele são seu histórico militar e político --"O que Jair Bolsonaro é do Exército" (é capitão da reserva), "por que saiu do exército", "por que saiu do PP" e "por que foi preso em 1987" --neste último, por ter escrito um artigo na imprensa criticando os salários dos militares e planejando explodir bombas-relógio em unidades militares do Rio.

Temas recentes e fatos controversos sobre o paulista também estão lá, como "como se saiu no Roda Vida", "por que é odiado", "por que tem tantos seguidores", "o que disse a Maria do Rosário" (afirmou que ela não merecia ser estuprada porque a considera "muito feia" e "não faz seu tipo"), além de perguntas opostas: por que votar nele e por que não.

Cassiano Rosário/Estadão Conteúdo

Haddad: educação, trajetória em SP e acusações

No caso do petista, ex-prefeito de São Paulo, seu currículo como ministro da Educação e professor universitário parece pesar mais, com termos afins como "lattes", "livros", "o que fez como ministro" e "o que fez pela educação".

O autocompletar afirma/pergunta ainda se Haddad foi um bom prefeito, o que fez antes disso, como foi o mandato etc. E uma curiosidade: "como se pronuncia Haddad" (é "Adádi", pois o "H" é mudo).

Aparece ainda "ficha limpa" e "pesquisa", provavelmente devido ao recente crescimento na intenção de votos, "processos", "corrupção" (foi acusado pelo MP-SP de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha) e "por que não foi reeleito" (perdeu para João Doria, do PSDB, em 2016). E claro, as associações ao ex-presidente Lula e à sua candidata a vice-presidente na chapa, Manuela D'Ávila.

Dario Oliveira/Estadão Conteúdo

Ciro: SPC, Ceará e suposto machismo

No caso do terceiro lugar nas pesquisas, chama a atenção a enorme quantidade de termos ligados à proposta dele de tirar do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) todos os brasileiros com nome sujo.

O termo "machista" aparece algumas vezes, bem como a associação à ex-mulher, a atriz Patrícia Pillar, talvez por conta de uma frase dele na campanha a presidente de 2002: "Ela tem um dos papéis mais importantes, que é dormir comigo", pela qual pediu desculpas.

E seu histórico político e acadêmico também estão lá: "como é visto no Ceará", "o que fez por Fortaleza", "o que fez como ministro" e "o que fez em Harvard".

Ronaldo Silva/Estadão Conteúdo

Alckmin: governo de SP, PCC e merenda

Após quatro mandatos, Geraldo Alckmin é muito pesquisado por sua trajetória como governador de São Paulo, e os termos específicos mais comuns falam de problemas que enfrentou ou foi acusado durante o período: "PCC", "merenda" e "corrupção".

Aliado de Alckmin, o ex-secretário de Transportes, Laurence Casagrande, foi preso na Operação Lava Jato por suspeita de envolvimento em esquema nas obras do Rodoanel. O mais diferente termo sobre Alckmin no nosso teste foi "de que morreu o filho", sobre o acidente fatal que aconteceu em 2015.

Diego Padgurschi /Folhapress

Vote em Marina... Ruy Barbosa?

Já com Marina Silva, além de buscas sobre sua trajetória no Acre, como senadora e ex-ministra, é curiosa a frequência com que aparece o nome da atriz global Marina Ruy Barbosa, principalmente quando só o primeiro nome dela foi usado.

Com os demais candidatos Henrique Meirelles (MDB), Álvaro Dias (Podemos), Guilherme Boulos (PSOL) e Cabo Daciolo (Patriota), são perguntados dos temas mais genéricos --como o patrimônio, propostas e se é ficha limpa-- aos mais leves --como os memes e a maçonaria, temas ligados a Daciolo.

Getty Images

Você é o produto: cada passo que você dá na web gera rastros e essas informações são usadas para te vigiar e influenciar o seu comportamento

Entenda

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos