SEC processa Musk por fraude em tuíte e pede saída dele da Tesla

Helton Simões Gomes

Do UOL, em São Paulo

  • Investidores estão preocupados com o comportamento de Elon Musk que fumou maconha durante uma transmissão pela internet

Os tuítes de Elon Musk, presidente-executivo da Tesla, continuam gerando dor de cabeça. Depois de o Departamento de Justiça dos Estados Unidos iniciar uma investigação, a SEC, reguladora do mercado financeiro norte-americano, abriu nesta quinta-feira (27) uma ação na Justiça acusando o executivo de fraude pelas mensagens em que ele declarava ter fundos suficientes para comprar as ações da Tesla e tirar a montadora de carros elétricos da Bolsa.

Como punição, a SEC, equivalente à brasileira CVM, pede que Musk deixe o comando da Tesla e seja proibido de exercer cargos executivos em empresas com capital aberto.

A xerife do mercado de capitais norte-americano também quer que ele pague multa e devolva as quantias que possivelmente obteve após ter feito os anúncios no Twitter. A SEC acredita que Musk enganou os investidores.

VEJA TAMBÉM:

"Os comentários de Musk, disseminados via Twitter, falsamente indicavam que estava virtualmente certo que ele podia transformar a Tesla em empresa privada a um preço de compra que refletia um prêmio substancial sobre o valor corrente das ações da Tesla, que os fundos para essa transação multibilionária estavam assegurados e que a única contingência eram os votos dos acionistas", afirmou a entidade na ação judicial.

Os tuítes de Musk que geraram a polêmica foram publicados em 7 de agosto. "Estou considerando fazer da Tesla uma empresa privada a US$ 420. Fundos já assegurados", escreveu.

Seguido por 22 milhões de pessoas, o CEO da Tesla afirmou ainda que sua "esperança é que todos os investidores atuais permanecessem com a Tesla mesmo que ela virasse privada". A SEC considera que nenhuma dessas promessas poderia ter sido feita e, no fim das contas, só enganaram o investidor.

Além disso, as declarações de Musk fizeram as ações da Tesla disparar e fechar em alta de 10,98% naquele dia.

Entenda o caso

A SEC explica que Musk e alguns diretores da Tesla estavam, desde 2017, negociando com um fundo de investimento soberano um grande aporte para que a empresa construísse uma fábrica no Oriente Médio.

Em uma reunião em julho de 2018, Musk foi informado por um representante do fundo que a firma já havia adquirido 5% das ações da Tesla na Bolsa e tinha interesse de tornar a empresa privada. Só que não houve nenhuma sinalização do fundo de que o acordo estava fechado ou quais seriam as condições do negócio.

Ainda assim, cinco dias antes do fatídico tuíte, Musk enviou um email ao alto-escalão da Tesla. O título da mensagem era "Oferta para tornar Tesla privada por US$ 420". Nela, Musk explicava que a estratégia de tirar a Tesla da Bolsa poderia impedir os "ataques difamatórios" de quem vendia ações da empresa a descoberto – operação de quem espera que os papéis caíam – e que resultam em "grande dano ao valor da marca".

VEJA TAMBÉM:

Musk pediu que o assunto fosse levado à apreciação dos acionistas o mais rápido possível, porque a oferta expiraria em 30 dias. O cálculo do valor a ser pago por ação, de US$ 420, também foi feito por Musk. O preço acrescentaria um prêmio de 20% sobre o valor de fechamento daquele dia.

Só que, considerando essas premissas, o valor deveria ser de US$ 419. O executivo argumentou que decidira arredondar o valor porque descobrira recentemente a correspondência entre o número e a maconha e acreditava que sua namorada "acharia divertido, o que admitia não ser uma boa razão para pinçar um preço".

Além disso, o fundo, que estaria supostamente interessado em financiar o fechamento de capital da Tesla, só foi contatado em 10 de agosto, três dias após Musk ter publicado os tuítes.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos