STJ suspende ações coletivas contra corte de internet da Oi

Luciana Bruno

Em São Paulo

  • Divulgação

    A decisão foi tomada por conta de conflito de competência para julgar as ações e não pelo suposto direito de a operadora bloquear a Internet após o fim da franquia

    A decisão foi tomada por conta de conflito de competência para julgar as ações e não pelo suposto direito de a operadora bloquear a Internet após o fim da franquia

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) suspendeu o andamento de ações coletivas propostas contra a operadora Oi que discutem o fornecimento de Internet via celular após o esgotamento da franquia de dados contratada em planos pré-pagos.

Segundo comunicado publicado pelo órgão, a decisão foi tomada por conta de conflito de competência para julgar as ações e não pelo suposto direito de a operadora bloquear a Internet após o fim da franquia.

O comunicado informou que, segundo a Oi, já foram propostas pelo menos 15 ações coletivas em juízos diferentes, de vários Estados do país, contra ela e contra as operadoras Vivo, TIM Participações e Claro sobre a questão do bloqueio da Internet móvel.

Segundo a empresa, a existência de um grande número de ações coletivas sobre o mesmo tema tramitando em juízos diferentes poderá resultar em "decisões inconciliáveis sob o ângulo lógico e prático", já que se trata de serviço prestado de forma uniforme em todo o país.

Desde o início do ano, as principais operadoras do país começaram a bloquear a Internet móvel dos usuários que esgotassem a franquia de dados, e não mais diminuir a velocidade como era feito anteriormente.

Nas ações judiciais, as entidades de defesa do consumidor sustentam que as operadoras modificaram indevidamente os contratos quando passaram a bloquear a Internet ao término da franquia, razão pela qual pediram medidas urgentes para manter a conexão.

Segundo as empresas, no entanto, o que houve foi o fim de promoções ou de "liberalidade" concedida aos usuários, disse o comunicado do STJ.

Em sua decisão, o ministro Moura Ribeiro determinou que até que haja o julgamento do juízo competente, as ações contra a empresa e as decisões de primeira instância que não tenham sido revertidas em segunda instância ficam suspensas.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos