Uber diz que lei assinada por prefeito do Rio que proibiu empresa é inconstitucional

Em São Paulo

  • Niyi Fote/Futura Press/Estadão Conteúdo

    30.jun.2015 - Taxistas protestam no Rio de Janeiro contra o aplicativo de celular Uber

    30.jun.2015 - Taxistas protestam no Rio de Janeiro contra o aplicativo de celular Uber

O Uber afirmou nesta quarta-feira (30) que a lei sancionada pelo prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), nesta semana que proíbe a atividade de motoristas do aplicativo de transporte urbano é inconstitucional e que está avaliando medidas judiciais para seguir operando.

"Para agradar os donos de táxis da cidade, o prefeito Paes sancionou uma lei completamente inconstitucional", afirmou o Uber em comunicado à imprensa. A legislação que proíbe o aplicativo foi sancionada nesta quarta-feira pelo prefeito, que já tinha alertado na véspera que aprovaria o projeto de lei.

Na ocasião, Paes afirmou que o serviço oferecido pela companhia é ilegal, mas que estava aberto a debates com representantes do Uber para criar caminhos que possam levar a uma eventual legalização do aplicativo no futuro.

"Neste momento, medidas judiciais cabíveis estão sendo analisadas. A Uber acredita que o serviço prestado pelos motoristas parceiros é completamente legal e respaldado por leis federais", afirmou a empresa.

O Uber tem cerca de 5 mil motoristas cadastrados no país e 500 mil usuários. A empresa não divulga dados isolados por cidade.

Procurado, o Uber afirmou que os motoristas do aplicativo trabalharam nesta quarta-feira, mas a empresa ainda está avaliando se continuará oferecendo serviços na capital carioca após a sanção da lei.

Na semana passada, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou que deverá regulamentar o Uber em até 10 dias, mas não deu detalhes sobre como isso será feito.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos