Mercado de PCs no Brasil deve estabilizar em 2017, após recuo de 32% em 2016, diz IDC

SÃO PAULO (Reuters) - As vendas de computadores pessoais no Brasil devem se estabilizar este ano, após um tombo de 31,7 por cento em 2016, o pior resultado dos últimos treze anos, informou nesta segunda-feira a empresa de pesquisa de mercado IDC.

A expectativa da IDC é que as vendas de computadores no Brasil em 2017 somem 4,5 milhões de unidades, mantendo volume comercializado no ano passado.

"Mesmo que a economia melhore, não devemos ter um incremento nas vendas este ano. O mercado de computadores é maduro e a vida útil das máquinas tem passado dos seis anos, já que a qualidade é melhor e o uso tem sido dividido com outros dispositivos", disse Pedro Hagge, analista de pesquisa da IDC Brasil, em comunicado à imprensa.

"Para se destacar no mercado, os fabricantes precisam inovar e oferecer produtos com preços acessíveis", acrescentou Hagge. No ano passado, o preço médio dos computadores vendidos no país foi de 2.413 reais, acima dos 2.326 reais de 2015. Em 2014, o chamado tíquete médio era de 1.694 reais, de acordo com a IDC.

Segundo a pesquisa, do total de PCs vendidos em 2016 no Brasil, 2,8 milhões foram notebooks (queda de 30 por cento) e 1,7 milhão foram desktops (queda de 35 por cento). Ainda de acordo com o estudo, 3 milhões de computadores foram vendidos para o mercado doméstico e 1,5 milhão para o segmento corporativo.

Considerando apenas o quarto trimestre, as vendas de PCs no Brasil recuaram 11 por cento sobre o mesmo período de 2015, para 1,2 milhão de unidades. Apesar disso, na comparação com o terceiro trimestre, houve crescimento de 17 por cento no volume de PCs comercializados.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos