Lituânia quer que EUA esclareça as acusações contra o suspeito de roubar US$100 mil

VILNIUS (Reuters) - Uma juíza da Lituânia disse que quer mais informações dos Estados Unidos antes de decidir sobre a extradição de um cidadão lituano acusado de roubar duas empresas de internet baseadas nos EUA em mais de 100 milhões de dólares através de um esquema de emails fraudulentos.

O lituano Evaldas Rimasauskas está em custódia desde abril a pedido dos procuradores norte-americanos. Ele nega as alegações e está lutando contra a extradição, disse seu advogado à Reuters.

O tribunal quer uma lista detalhada com as acusações contra Rimasauskas e evidências para apoiá-las, e deu à acusação dois meses para apresentar esse material, segundo a porta-voz do tribunal.

De acordo com a acusação apresentada pelos Estados Unidos em março, Rimasauskas é acusado de fraude eletrônica, lavagem de dinheiro, cada uma com pena máxima de 20 anos, e roubo de identidade, que tem pena mínima de dois anos.

Mas o advogado Linas Kuprusevicius disse à repórteres que a tradução fornecida pelos EUA foi tão ruim que a juíza não conseguiu entender se Rimasauskas pode enfrentar pena de morte. E a Lituânia, que não tem pena capital, não extradita pessoas aos Estados Unidos se elas correm o risco de serem executadas.

Rimasauskas é acusado por um esquema que enviou emails à funcionários de duas empresas norte-americanas pedindo que transferissem dinheiro que eles realmente deviam a vendedores asiáticos para as contas de companhias na Letônia e Chipre. As companhias tinham os mesmos nomes dos vendedores, mas eram controladas por Rimasauskas.

(Por Andrius Sytas)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos