Uber ameaça demitir engenheiro acusado de roubar segredos da rival Waymo

Por Dan Levine e Julia Love

SAN FRANCISCO (Reuters) - O Uber ameaçou demitir um engenheiro acusado pela unidade de carros autônomos da Alphabet, a Waymo, de roubar documentos confidenciais em um caso envolvendo importantes segredos comerciais entre as duas empresas, segundo parecer judicial.

A Waymo processou o Uber, alegando que seu ex-executivo Anthony Levandowski teria feito download de mais de 14 mil documentos confidenciais antes de deixar a empresa para se juntar à rival.

O caso, motivado pela disputa das duas companhias pelo domínio do segmento de automóveis autônomos, se centra nas alegações da Waymo de que a informação obtida por Levandowski chegou ao sistema Lidar do Uber, uma importante tecnologia de sensor em carros autônomos.

Na semana passada, o juiz norte-americano William Alsup, em San Francisco, emitiu liminar ordenando que o Uber mantenha Levandowski afastado dos trabalhos envolvendo a tecnologia em questão, de modo a impedir que ele e outros funcionários usem o material e que o devolvam à Waymo até 31 de maio.

O Uber informou Levandowski de que ele precisa cumprir a ordem judicial e devolver os documentos à Waymo ou enfrentar possível rescisão contratual, disseram os advogados dele no documento judicial.

Os advogados pediram ao juiz que modifique a liminar, de modo que o Uber não seja obrigado a demitir Levandowski se o engenheiro reivindicar os direitos constitucionais contra auto-incriminação e se recusar a produzir os documentos.

Representantes do Uber não puderam ser imediatamente contatados para comentar o assunto, enquanto o porta-voz da Waymo se recusou a fazê-lo.

Na quinta-feira, o Uber informou que apelaria da decisão do juiz.

Levandowski deixou a Waymo em janeiro de 2016 e começou a Otto, uma startup de caminhões autônomos que o Uber comprou em agosto do mesmo ano por 680 milhões de dólares. Até o mês passado, ele comandava a divisão de carros autônomos do Uber, ante de se distanciar das responsabilidades por causa do processo judicial.

O Uber não negou que Levandowski tenham pego documentos da Waymo, mas alega que não usou qualquer tecnologia da concorrente em seus carros.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos