Monitoramento do ciberespaço no Reino Unido enfrenta choque de realidade

LONDRES (Reuters) - O monitoramento constante do ciberespaço no Reino Unido enfrenta grandes desafios. Em resposta ao ataque de sábado por extremistas em Londres, a primeira-ministra Theresa May prometeu novas restrições a formas de propaganda e de comunicação online, as quais podem afetar serviços como o YouTube, da Alphabet, e o WhatsApp, do Facebook.

Tais medidas podem funcionar no âmbito da política, mas para efetivamente acontecerem, elas precisam fazer sentido tecnológica e economicamente.

Após o terceiro ataque mortal no Reino Unido em três meses, é compreensível que May esteja ansiosa para responder. Seu governo parece ter dois objetivos em mente: identificar material extremista online e comunicações criptografadas que podem ser usadas para planejar ataques.

Há um bom argumento para exigir que o YouTube, Facebook e outros atuem mais rapidamente para suprimir conteúdo que promove o ódio. Grandes empresas de internet estão relutantes em fazer julgamentos sobre o que os usuários publicam. Se o governo de May -- assumindo que ganhe a eleição de quinta-feira -- opte por aprovar leis que limitam a propaganda extremista, as companhias terão de cumprir.

Aplicar regulamentação à comunicação é algo mais complicado. Amber Rudd, ministra do Interior do Reino Unido, criticou serviços, como o WhatsApp, que codificam mensagens, para que apenas o remetente e o destinatário possam lê-las. Uma sugestão é que os provedores devem dar aos governos uma chave para decodificar as mensagens. Isso não apenas aumenta só levanta preocupações de espionagem, mas também torna os serviços de mensagens vulneráveis a hackers.

Grandes empresas de internet já chegaram a ceder a pressões políticas: o governo britânico cobrou 130 milhões de libras de impostos atrasados da Alphabet no ano passado. No que diz respeito à contenção do extremismo online, no entanto, qualquer repressão enfrentará um choque de realidade.

(Por Peter Thal Larsen)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos